Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(21 out) Refugiados rohingyas aguardam ajuda alimentar em Bangladesh

(afp_tickers)

A forte oposição da China obrigou o Conselho de Segurança da ONU a abandonar nesta segunda-feira (6) o seu plano de adotar uma resolução que exigia o fim da violência em Mianmar, segundo fontes diplomáticas.

No lugar do anteriormente proposto, a organização emitiu um comunicado que pede o fim dos distúrbios, pleno acesso ao estado de Rakine e o retorno de centenas de milhares de muçulmanos rohingyas refugiados em Bangladesh.

O texto não ameaça punir o Exército de Mianmar.

No último mês, a França e o Reino Unido apresentaram um possível rascunho, mas fontes diplomáticas afirmam que a China, aliada de Mianmar e com poder de veto no Conselho de Segurança, ressaltou que a resolução não é a resposta correta perante a crise.

Após longas negociações, a China terminou aceitando o comunicado, que inclui os mesmos pontos da resolução, mas possui menos peso.

"O importante é o conteúdo", reiterou o embaixador adjunto britânico, Jonathan Allen, à imprensa.

O embaixador de Mianmar, Hau Do Suan, avaliou que o Conselho de Segurança "exerce uma pressão indevida" sobre seu país e poderá assim avivar as tensões religiosas.

Desde agosto, mais de 600.000 rohingyas fugiram para Bangladesh para escapar da campanha militar em Rakine, que a ONU qualifica como sendo uma "limpeza étnica".

As autoridades birmanesas afiram que o seu único objetivo é erradicar a rebelião muçulmana do Exército de Salvação Rohingya de Arakán (ARSA).

Os rohingyas representam a maior população apátrida do mundo desde que a junta militar tirou deles a nacionalidade birmanesa, em 1982.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP