Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros das Farc, em San José de Oriente, em 1º de março de 2017

(afp_tickers)

O governo da Colômbia e a guerrilha das Farc devem reconhecer sua responsabilidade no conflito armado que durou meio século, ressaltou em um relatório o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos nesta quarta-feira.

"Continua vigente o desafio do Estado e das Farc de reconhecer plenamente sua responsabilidade nas violações dos direitos humanos e do direito internacional humanitário no passado, de tal forma que satisfaça os direitos das vítimas", sustentou a ONU.

O gabinete do Alto Comissariado apresentou nesta quarta-feira suas recomendações para que o processo de paz assinado na Colômbia ocorra "com base nos padrões internacionais de direitos humanos".

"Amplos setores oficiais e políticos ainda negam que agentes do Estado tenham planejado graves violações, inclusive nos casos que o presidente reconheceu oficialmente a responsabilidade do Estado", destacou o documento.

O governo colombiano, por meio de sua embaixadora em Genebra, Beatriz Londoño Soto, reiterou "que não haverá impunidade", e que "estão fazendo os ajustes necessários" para cumprir "os padrões internacionais" e "com o acordado" para "tornar visíveis os benefícios da paz".

O Conselho de Direitos Humanos da ONU é composto por 47 países, eleitos mediante voto secreto da Assembleia Geral, segundo uma distribuição equitativa por regiões do planeta.

Atualmente é presidido por El Salvador, em nome da América Latina e do Caribe, grupo que dispõe de oito cadeiras - Brasil, Bolívia, Cuba, El Salvador, Equador, Panamá, Paraguai e Venezuela.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP