Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O premier do Iraque, Nuri al-Maliki (d), recebe o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em Bagdá

(afp_tickers)

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu nesta quinta-feira em Bagdá um governo de unidade no Iraque, para evitar a ameaça de uma divisão do país por razões religiosas.

"O Iraque enfrenta uma ameaça existencial, mas pode superá-la com a formação de um autêntico governo de unidade", declarou Ban em uma coletiva de imprensa conjunta com o primeiro-ministro iraquiano, Nuri Al-Maliki.

"É necessário um governo no qual todos os iraquianos se sintam representados", acrescentou Ban.

A renovação do Parlamento e das instituições após as legislativas de 30 de abril se complicou diante da ofensiva lançada há um mês por insurgentes sunitas no país e pelas aspirações de secessão dos curdos.

A coalizão xiita de Maliki liderou os resultados das eleições, embora sem uma clara maioria.

No entanto, se sucedem os apelos no Iraque e no exterior para que o primeiro-ministro, acusado de autoritarismo e de marginalizar os sunitas, deixe o cargo após oito anos no poder.

Depois da eleição do presidente do Parlamento (o sunita Salim al-Khuburi) agora é preciso eleger um presidente da República, um cargo que costuma ser ocupado por um curdo. Este designará, por sua vez, um primeiro-ministro.

AFP