Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ONU rejeitou nesta sexta-feira as acusações de Israel de que o movimento xiita libanês Hezbollah está instalando postos de observação ao longo da fronteira

(afp_tickers)

A ONU rejeitou nesta sexta-feira as acusações de Israel de que o movimento xiita libanês Hezbollah está instalando postos de observação ao longo da fronteira, fazendo-se passar por uma ONG ambiental.

O Exército israelense divulgou na quinta-feira fotografias de um edifício próximo à fronteira com o Líbano, controlado supostamente por uma organização chamada Green Without Borders (Verde sem fronteiras).

A Força Provisória das Nações Unidas no Líbano assegurou que esta entidade plantou árvores na zona e que "não detectou nenhuma pessoa armada sem autorização nem encontrou indícios da violação da resolução 1701", explicou a porta-voz da ONU, Eri Kaneko.

O embaixador de Israel nas Nações Unidas, Danny Dannon, enviou uma carta de protesto ao Conselho de Segurança com imagens dos supostos postos de observação e mapas precisando sua localização.

O diplomata descreveu as atividades do Green Without Borders como "uma perigosa provocação" e afirmou que o Hezbollah está se movendo perto da Linha Azul que estabelece os limites entre Israel e Líbano, fazendo-se passar por uma organização civil.

Israel e o Hezbollah se confrontaram durante um mês em 2006, provocando a morte de mais de 1.200 libaneses, em sua maioria civis, e de mais de 160 israelenses, quase todos soldados.

A resolução 1701 foi adotada ao final da guerra para exigir o respeito total da Linha Azul.

AFP