AFP

Posto de gasolina em Nova Délhi, em 29 de setembro de 2016

(afp_tickers)

O equilíbrio do mercado de petróleo requer um "esforço coletivo" por parte de todos os produtores, afirmou nesta quinta-feira a Opep, que prevê um aumento da oferta nos países não membros em 2017, essencialmente os Estados Unidos.

Uma queda das reservas e a melhora da economia mundial devem manter a demanda de petróleo, de modo que "a busca por um reequilíbrio para o final do ano requerirá um esforço coletivo de todos os produtores de petróleo para aumentar a estabilidade do mercado", afirmou a Opep em seu relatório mensal.

Isso "não só em beneficio de cada um dos países, mas também para a prosperidade geral da economia mundial", acrescentou.

A Organização de Países Produtores de Petróleo (Opep) e outros onze países, incluindo a Rússia, se comprometeram a reduzir sua produção durante seis meses desde janeiro, com a esperança de fazer os preços, prejudicados pela oferta excessiva, se recuperarem.

Os produtores pretendem prolongar este acordo até o final do ano, e a decisão será tomada durante uma cúpula entre a Opep e seus sócios no dia 25 de maio em Viena.

En abril, a produção da Opep teve uma queda de 18.000 barris por dia (bpd), o que resultou em um total produzido de 31,73 milhões de barris por dia (mbpd). A produção mundial também teve queda, recuando 0,41 mbpd em um mês, a 95,81 mbpd, um nível superior aos 831.000 bpd observado um ano antes.

Mas a alta dos preços estimula também a produção de países não membros da organização, como os Estados Unidos que, ao contrário do peso pesado russo, não se comprometem a ajustar a produção.

A produção de petróleo nos países não membros da Opep deveria crescer de 0,95 mbpd, até estabelecer-se em 58,3 mbpd neste ano, o que seria uma revisão à alta de 0,37 mbpd em relação à estimativa publicada em abril.

Este aumento, que acontece depois de uma contração em 2016, virá essencialmente dos Estados Unidos. A produção de petróleo de xisto americano deveria aumentar em 614.000 bpd em 2017.

A demanda mundial deve crescer 1,27 mbpd, chegando a 96,32 mbpd, segundo a Opep.

AFP

 AFP