Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As Forças Armadas, apoiadas pelo Exército brasileiro, realizaram uma grande operação contra o crime organizado em comunidades de Niterói

(afp_tickers)

A Polícia, apoiada pelas Forças Armadas, prenderam 13 suspeitos de integrar o crime organizado em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro, na manhã desta quarta-feira, em uma nova demonstração de força para tentar combater a onda de violência que atinge o estado.

Mais de 2.600 integrantes das Forças Armadas, entre eles da Marinha, participaram da operação focada no combate ao tráfico de drogas e assaltos à mão armada.

Com 26 mandados de prisão e 34 de busca e apreensão, as autoridades prenderam 13 suspeitos, afirmaram as autoridades.

A operação começou às 5h00 e terminou no meio da tarde, em Niterói.

"O Exército tem a missão de controlar o acesso de certas favelas e os soldados foram colocados em pontos estratégicos. Algumas ruas estão bloqueadas e o espaço aéreo é controlado", informaram os serviços de segurança do Rio em um comunicado.

A operação não deixou nenhuma vítima.

O Exército já realizou uma operação parecida este mês, utilizando 5.000 efetivos na zona norte do Rio, na tentativa de desarticular um bando que roubava caminhões com mercadoria. Na ação, morreram duas pessoas.

O governo brasileiro mobilizou 10 mil soldados para fortalecer a segurança do Rio, especialmente diante da multiplicação do roubo de caminhões de carga.

O Rio registra o maior nível de violência desde 2009, com 3.457 homicídios, 15% a mais que no mesmo período de 2016, de acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP).

Um ano depois de receber os Jogos Olímpicos, a "Cidade Maravilhosa" está em um período decadente, entre insegurança, escândalos de corrupção e uma grave crise financeira que impede as autoridades locais de pagar funcionários, incluindo a polícia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP