Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O operador de satélite egípcio Nilesat, um dos mais importantes do mundo árabe, cortou nesta quarta-feira a difusão da rede de televisão do movimento libanês Hezbollah, em um contexto de crescente tensão entre o Irã, xiita, e a Arábia Saudita, sunita.

(afp_tickers)

O operador de satélite egípcio Nilesat, um dos mais importantes do mundo árabe, cortou nesta quarta-feira a difusão da rede de televisão do movimento libanês Hezbollah, em um contexto de crescente tensão entre o Irã, xiita, e a Arábia Saudita, sunita.

"Nilesat informou ao ministério libanês de Telecomunicações sobre a necessidade de interromper a transmissão da rede Al Manar via o satélite Nilesat", informou a agência nacional de informação libanesa. Nesta quarta-feira o canal já não era visto, constatou a AFP.

Os diretores do Nilesat alegam que a rede violou acordos divulgando programas que "incitam a violência sectária e a sedição", acrescenta a agência.

Até o momento, o Nilesat não comentou esta informação.

No Twitter, a Al Manar anunciou que o canal pode ser captado através de um satélite russo e pela internet.

Em março, os países do Golfo, com a Arábia Saudita na liderança, classificaram o movimento Hezbollah de organização terrorista.

As relações entre o Irã, que apoia o Hezbollah, e a Arábia Saudita atravessam um momento crítico.

Os dois países apoiam grupos contrários na Síria: Teerã o Hezbollah, que está do lado do regime do presidente Bashar al-Assad, e Riad a rebelião.

AFP