Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2 ago) O líder Julio Borges participa de uma sessão do Parlamento em Caracas

(afp_tickers)

A oposição venezuelana adiou para esta sexta-feira a marcha prevista para hoje contra a Assembleia Constituinte, depois que o presidente Nicolás Maduro adiou a instalação do órgão, repudiado pela comunidade internacional.

A Mesa da Unidade Democrática (MUD) anunciou no Twitter que, "para defender a Constituição da fraude , a mobilização de hoje será amanhã, 4 de agosto".

Da mesma forma, o dirigente Juan Carlos Caldera confirmou que a decisão foi tomada em função do adiamento para a sexta da posse dos integrantes da Constituinte.

Nicolás Maduro anunciou no fim da noite de quarta que a instalação da Assembleia Constituinte, prevista inicialmente para esta quinta-feira, foi adiada para sexta.

A Constituinte tomará posse no Salão Elíptico do Parlamento, controlado pela oposição e que se reúne no hemiciclo do Palácio Legislativo.

Maduro explicou que ainda está pendente a proclamação, por parte do poder eleitoral, de 35 constituintes do total de 545 membros da Assembleia encarregada de reformular a Carta Magna de 1999.

O adiamento pretende "afastar as ameaças porque queremos que tudo ocorra em paz", afirmou Maduro.

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, informou na noite desta quarta-feira que abriu uma investigação sobre a denúncia de fraude envolvendo a eleição da Constituinte: "informo que designei dois procuradores para investigar as quatro reitoras do CNE (Conselho Nacional Eleitoral) por este fato tão escandaloso".

"Estamos diante de um fato inédito, grave, que constitui crime", declarou Ortega, que pediu a realização de uma "auditoria" com "especialistas nacionais e internacionais, que não sejam reitores do CNE, porque estes são os primeiros suspeitos".

Segundo a empresa Smartmatic, encarregada do processo de votação, houve fraude em relação ao número de eleitores na votação.

Maduro rejeitou a fraude afirmando que "o processo não tem mancha porque foi transparente", e atribuiu a denúncia da empresa de informática a uma "reação do inimigo internacional".

Smartmatic afirma que "a diferença entre o número de eleitores anunciado e o que mostra o sistema é de, ao menos, um milhão".

O número de eleitores era chave para a legitimidade da Constituinte, após a oposição assegurar que obteve 7,6 milhões de votos contra em um plebiscito simbólico celebrado em 16 de julho.

A oposição sustenta que apenas 3,5 milhões de pessoas votaram e, por isso, é a "maior fraude na história" do país. "É um terremoto em nível mundial", declarou Julio Borges, presidente do Parlamento, que pediu à Procuradoria para investigar a "fraude".

A denúncia sobre a fraude ocorre em meio ao rechaço da oposição e da comunidade internacional à Constituinte, um suprapoder que regirá o país por tempo indefinido e reformará a Carta Magna de 1999, impulsionada pelo presidente Hugo Chávez, falecido em 2013.

Eleita entre protestos que deixaram 10 mortos e rejeitada por 72% dos venezuelanos segundo o Datanálisis, a Constituinte fará suas sessões no salão do Palácio Legislativo, onde debate o Parlamento, o que faz temer confrontos.

Os chanceleres do Mercosul se reunirão no próximo sábado, no Brasil, para decidir sobre a suspensão política da Venezuela do bloco "pela ruptura da ordem democrática" no país.

A Constituinte, segundo Maduro, reforçará também o poder das comunidades para aprofundar o socialismo, acabará com a dependência do petróleo - fonte de 96% da renda do país -, elevará à categoria constitucional os planos sociais, o controle dos preços contra a inflação e a entrega de alimentos subsidiados, em grave escassez.

Mas a oposição sustenta que Maduro tentará fugir das eleições. Na semana que vem vence o prazo de inscrição de candidatos às eleições regionais de dezembro, mas agora tudo depende das decisões da Constituinte.

AFP