Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Opositores venezuelanos entram em confronto com a Guarda Nacional em frente ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), em Caracas, no dia 21 de abril de 2016

(afp_tickers)

A oposição venezuelana convocou nesta sexta-feira seus simpatizantes a protestar na quarta-feira em frente à sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) para exigir a ativação de um referendo revogatório contra o presidente Nicolas Maduro.

"Na quarta-feira, às dez horas, iremos protestar em frente à sede do CNE para pedir que o referendo revogatório seja ativado", declarou à imprensa o deputado Stalin González, acompanhado de um grupo de legisladores da coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD).

O corpo eleitoral se comprometeu a entregar na quarta-feira as planilhas para coletar as 200.000 assinaturas necessárias para acionar o referendo contra o líder socialista (2013-2019).

No entanto, o organismo alegou que os peticionários não cumpriram com as exigências.

"Queremos uma saída eleitoral, pacífica e institucional. Nicolas Maduro deve ser revogado este ano. Todos ao CNE na quarta-feira", ressaltou o deputado Freddy Guevara, do partido Vontade Popular do líder radical Leopoldo Lopez.

Na quinta-feira, sete parlamentares da oposição se acorrentaram por duas horas na sede do CNE em Caracas, mas foram expulsos por soldados.

A MUD, que controla o Parlamento, promove o referendo junto com uma emenda constitucional para encurtar o mandato de Maduro de seis a quatro anos, em meio a uma grave crise econômica e política.

Para convocar o referendo são necessárias quatro milhões de assinaturas, e para destituir Maduro, cerca de 7,5 milhões de votos.

AFP