Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Venezuelana vota nas eleições regionais de 15 de outubro de 2017 em Chacao, estado de Miranda

(afp_tickers)

A oposição venezuelana, descomposta após perder as eleições regionais de 15 de outubro, corre contra o relógio para decidir se irá participar das eleições municipais de dezembro, para as quais deve inscrever seus candidatos até esta segunda-feira (30).

Os partidos opositores se reuniram no fim de semana para discutir o que fazer, sem ter muito tempo, pois só na quinta-feira a toda-poderosa Assembleia Constituinte governista convocou as eleições e na sexta-feira o poder eleitoral anunciou a inscrição das candidaturas.

Uma fonte da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) - que pediu para preservar seu nome - afirmou à AFP que tenta-se chegar a uma decisão de consenso. "É difícil, uns querem ir, outros não", acrescentou.

Uma posição em bloco parece complicada, pois os quatro principais partidos da MUD - Ação Democrática, Primeiro Justiça, Vontade Popular e Um Novo Tempo - divergem: dois consideram que não se deve disputar o pleito, pois acreditam que não há condições, e os outros são mais inclinados a fazê-lo.

Os partidos minoritários que integram a coalizão também estão divididos.

A decisão se complicou porque a oposição não reconheceu os resultados das eleições regionais, vencidas esmagadoramente pelo chavismo, ao vencer em 18 dos 23 estados contra apenas cinco da MUD.

Os opositores denunciaram irregularidades com a cumplicidade do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) - ao qual acusam de servir ao governo de Nicolás Maduro -, como as mudanças dos centros de votação de última hora ou a "usurpação de identidade" dos eleitores.

- Condições eleitorais -

Um Novo Tempo e Ação Democrática estão na mesma linha, consultado suas equipes regionais para definir se participam, enquanto os líderes do Primeiro Justiça e do Vontade Popular expressaram que não se deve participar.

"Temos disposição de participar. Estamos esperando a decisão da Ação Democrática e de outros. Estamos fazendo consultas", disse à AFP Enrique Márquez, presidente executivo do Um Novo Tempo.

O Primeiro Justiça não emitiu posição formal. Juan Carlos Caldera, um de seus dirigentes, afirmou à AFP que ainda estão decidindo.

"Se não conseguirmos dar uma luta que mude as condições eleitorais, nós não podemos ir a um processo que vai estar marcado, como esteve o dos governadores, pelo oportunismo, pela fraude", disse Julio Borges, fundador do PJ e presidente do Parlamento de maioria opositora.

Só o Vontade Popular, fundado pelo opositor preso em casa Leopoldo López, antecipou que não vai participar.

"O Vontade Popular não vai participar desse processo (...) Acreditamos que o que faz falta é uma luta por condições eleitorais nas quais possamos votar livremente", expressou Freddy Guevara, porta-voz da organização.

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, afirmou no sábado que "não faz nenhum sentido" que a oposição participe sem garantias às eleições municipais.

"Não se pode brincar com o voto do povo", disse Almagro à AFP durante uma assembleia na Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), em Salt Lake City (EUA).

- A estratégia -

O secretário-geral da AD, Henry Ramos Allup, foi dos que mais defendeu participar das regionais, nas quais seu partido venceu em quatro dos cinco estados opositores.

A decisão destes quatro governadores de tomar posse perante a Constituinte - integrada exclusivamente por governistas, pois a oposição a desconhece - rachou a MUD. Henrique Capriles, um dos líderes da oposição, anunciou sua saída da coalizão enquanto Ramos Allup estiver ali.

O CNE anunciou que no dia das municipais - ainda sem data marcada - se repetirá a eleição no estado de Zulia (noroeste), que as autoridades declararam vaga porque o governador eleito - do Primeiro Justiça - recusou-se a se subordinar à Constituinte.

A MUD tampouco definiu se inscreverá um candidato para esta eleição.

A analista Colette Capriles considera que a oposição deve se concentrar em conseguir melhores condições eleitorais, com as eleições presidenciais de 2018 como norte.

"Não se pode não inscrever candidatos, é a única forma de poder lutar por condições eleitorais para esta e para as próximas eleições. O problema não são as municipais, mas as presidenciais", acrescentou.

O analista Luis Vicente Leon advertiu que a MUD deve trabalhar na unidade porque seus partidos em separado não têm chances de vitória diante da máquina do Partido Socialista.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP