Navigation

Opositor cubano é libertado mas impedido de viajar à Europa

(2016) O dissidente cubano Guillermo Fariñas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 07. fevereiro 2020 - 19:02
(AFP)

O dissidente cubano Guillermo Fariñas, vencedor do prêmio Sakharov de Direitos Humanos em 2010, foi libertado nesta quinta-feira (06) após ter sido preso por 60 horas, mas está proibido de viajar a Bruxelas para participar de uma reunião na Eurocâmara sobre Direitos Humanos.

Fariñas, um psicólogo de 58 anos, explicou por telefone à AFP que foi libertado na noite da última quinta-feira e que estava livre de qualquer acusação. No entanto, disse que as autoridades informaram que ele não tem permissão para sair da cidade de Santa Clara, onde vive, até o próximo 20 de fevereiro, "sob ameaça de ser novamente detido".

"O principal motivo da prisão foi me impedir de viajar para a Europa", comentou o líder do Foro Antitotalitário Unido (FANTU), que recebeu um convite oficial para participar de uma reunião do subcomitê de Direitos Humanos da Eurocâmara na própria quinta-feira.

A porta-voz da diplomacia europeia, Virginie Battu, disse à AFP que Fariñas também iria se reunir com interlocutores do Serviço Europeu de Ação Externa.

"Eles (a polícia) consideram que estou aproveitando essas viagens para deteriorar as relações entre Cuba e a União Europeia", e disseram "que não me permitiriam continuar sabotando" esses vínculos, ressaltou Fariñas.

O dissidente foi preso na última terça-feira em Santa Clara, 280 km ao leste de Havana, quando tentava chegar à capital para "buscar o visto na embaixada da Espanha".

Em visita a Bruxelas, uma delegação de opositores cubanos, liderados por Rosa María Payá, filha do falecido ativista Oswaldo Payá, solicitou na terça que a União Europeia ative a cláusula que exige a suspensão do acordo com Cuba, vigente desde 2017, sob justificativa de violação dos Direitos Humanos.

As autoridades cubanas não reconhecem a existência de presos políticos e consideram os opositores como sendo "mercenários" do Estados Unidos.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.