Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Simpatizantes do líder opositor preso Leopoldo López posicionam peças de uma imagem gigante de seu rosto, durante manifestação em Caracas

(afp_tickers)

O líder opositor Leopoldo López convocou uma rebelião eleitoral para pressionar a realização de eleições gerais na Venezuela, em carta lida durante protesto em Caracas ao completar três anos de prisão neste sábado.

"Estamos na obrigação de promover e organizar uma rebelião dos votos. Se o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) continuar com sua atitude, nós organizaremos, então, as eleições", desafiou López em carta escrita na prisão militar de Ramo Verde, arredores da capital.

O dirigente se referia ao adiamento das eleições de governadores, que deveriam ter sido realizadas em dezembro passado e que foram adiadas para este ano, ainda sem data prevista.

"Organizemos uma grande consulta popular na qual as pessoas votem e decidam se querem ou não que haja eleições presidenciais em 2017", indicou o político, pedindo a realização destas votações através de uma "escalada da pressão popular, democrática e não violenta".

As presidenciais estão previstas para dezembro de 2018.

López, que cumpre pena de quase 14 anos de prisão, pediu, ainda, à coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) a realizar em março "uma grande adesão nacional para a convocação de eleições".

A mensagem foi lida perante 2.000 pessoas por Freddy Guevara, vice-presidente do Parlamento de maioria opositora, de um caminhão que serviu de palanque para a manifestação.

López considera a medida o caminho para tirar do poder o presidente Nicolás Maduro, eleito para o período 2013-2019, e cuja gestão era repudiada por 80% dos venezuelanos, segundo pesquisas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP