Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto mostra bandeiras peruanas em Lima, capital do país, em 26 de janeiro de 2014

(afp_tickers)

O opositor venezuelano Villca Fernández viajará ao Peru após ser libertado nesta quinta-feira (14), em um processo de libertações prometido pelo presidente Nicolás Maduro após sua questionada reeleição em 20 de maio, informou à AFP uma ONG defensora dos direitos humanos.

Fernández, de 34 anos, foi detido em janeiro de 2016 sob acusações de "instigar o ódio e difundir informação falsa", após um tuíte direcionado ao dirigente chavista Diosdado Cabello no qual dizia que estava com "os dias contados no poder".

O ex-dirigente estudantil foi transferido das celas da polícia política em Caracas até o aeroporto internacional de Maiquetía, assinalou no Twitter Alfredo Romero, diretor executivo da ONG Foro Penal.

Consultado pela AFP, Romero detalhou que Fernández irá para o Peru.

O opositor fez parte de um terceiro grupo de 43 libertações de presos por "violência política", cujas solturas começaram na quarta-feira.

Desde 1º de junho foram libertadas 123 pessoas, incluindo o ex-prefeito Daniel Ceballos, o general reformado Ángel Vivas, o deputado Gilber Caro e Raúl Emilio Baduel, filho do general preso Raul Isaías Baduel, antigo aliado do falecido Hugo Chávez.

A grande maioria dos libertados da prisão, segundo a Foro Penal, está sujeita a medidas que os proíbem de deixar o país e à apresentação periódica nos tribunais. Muitos estão proibidos de fazer declarações à imprensa.

Após sua reeleição, boicotada pela oposição e desconhecida por grande parte da comunidade internacional, Maduro ofereceu a libertação de opositores para "superar as feridas" de protestos de 2014 e 2017, que deixaram 200 mortos.

Fernández, militante do Vontade Popular, partido do opositor Leopoldo López, que está em prisão domiciliar, seria o primeiro dos libertados a ir para o exterior.

No final de maio também foi libertado o mórmon americano Joshua Holt, preso durante 24 meses por acusações de espionagem, após um encontro entre Maduro e o senador americano Bob Corker.

A Foro Penal cifra em 280 os "presos políticos" na Venezuela depois das novas libertações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP