Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imran Khan, astro do críquete transformado em político, acena para simpatizantes durante manifestação em Islamabad

(afp_tickers)

O opositor paquistanês Imran Khan pôs todas as cartas na mesa neste domingo, ao convocar à desobediência civil seus milhares de simpatizantes concentrados em Islamabad para expulsar do poder do primeiro-ministro, Nawaz Sharif.

Imran Khan, ex-astro do críquete com ares de galã transformado em político, e Tahir ul Qadri, líder político-religioso moderado radicado há anos no Canadá, tinham prometido um "tsunami" de um milhão de manifestantes em sua marcha rumo à capital.

Os dois opositores, que saíram na quinta-feira de Lahore (leste) à frente de uma carreata, chegaram na noite de sexta-feira à capital, onde milhares de partidários continuavam concentrado neste domingo.

"Só há uma saída: lançar uma campanha de desobediência civil a partir de hoje", disse Khan aos seus partidários, reunidos a ceca de um quilômetro da sede governamental.

Esta chocante declaração do carismático Khan faz temer a ocorrência de distúrbios na noite de domingo na capital, aonde foram mobilizados 30.000 policiais e membros das forças paramilitares, segundo o Ministério do Interior.

Os resultados das eleições legislativas de maio de 2013 estão na raiz da crise atual entre o poder e os dois opositores.

O Partido da Justiça (PTI), de Imran Khan, que chegou à terceira posição no pleito, denuncia fraudes maciças durante as eleições que levaram Nawaz Sharif ao comando de um governo majoritário.

Tahir ul Qadri vai além e exige a dissolução não só do Parlamento, mas também das assembleias estaduais, inclusive a da província de Khyber Pakhtunkhwa (noroeste), ironicamente liderada pelo PTI de Imran Khan.

O clérigo de dupla nacionalidade paquistanesa e canadense também acusa o premiê Nawaz Sharif e seu irmão, Shahbaz, ministro-chefe da província de Penjab, de responsabilidade nos confrontos que deixaram pelo menos dez mortos entre seus partidários em junho.

Se o governo não responder ao ultimato, "o povo decidirá e eu não sei o responsável", ameaçou Ul Qadri.

Inicialmente, o governo se opôs a esta manifestação, bloqueou os pontos de entrada na capital e inclusive pôs em prisão domiciliar Ul Qadri, mas voltou atrás em seguida.

Funcionários das embaixadas e da ONU estão confinados por medo de que as manifestações provoquem distúrbios.

O premiê Sharif deveria reunir seu círculo próximo na tarde deste domingo em sua mansão de Lahore para avaliar o passo seguinte a dar para apaziguar a situação na capital, segundo fontes próximas.

"Ainda não necessárias 12 ou 14 horas para solucionar (esta crise) sem grandes mudanças, mas a longo prazo, tudo isto não vai parar, este tipo de convulsões é normal em um país com muitas frustrações", destacou o analista político Mosharraf Zaidi.

Desde a sua independência, em 1947, o Paquistão viveu três golpes de Estado similares e o equilíbrio entre o poder civil e o exército continua sendo frágil e fonte de especulações constantes.

AFP