Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Vista de Istambul

(afp_tickers)

Uma militante da oposição síria e sua filha, uma jornalista, foram encontradas mortas em seu apartamento em Istambul, informou a imprensa turca, enquanto seus parentes denunciaram um "assassinato".

A polícia encontrou os corpos de Arubeh Barakat, de 60 anos, e de sua filha Halla Barakt, de 22, na quinta-feira à noite, depois de receber ligações de familiares, preocupados por não conseguirem entrar em contato com elas, de acordo com as agências de notícias Anadolu e Dogan.

Segundo a Dogan, alguns vizinhos das vítimas, que moravam em Usküdar, na parte asiática de Istambul, afirmaram que as duas foram decapitadas.

De acordo com o jornal Hürriyet, mãe e filha foram mortas alguns dias atrás e seus corpos foram pulverizados com detergente para disfarçar os odores.

A irmã de Arubah Barakat, Shaza, confirmou as mortes no Facebook, afirmando que ambas morreram "nas mãos da injustiça e da tirania".

De acordo com a mesma fonte, Arubeh Barakat se opunha desde a década de 1980 ao regime sírio, primeiro de Hafez Al-Assad e depois de seu filho Bashar, que o sucedeu em 2000.

A família das vítimas acredita que o crime pode estar relacionado à oposição de Arubeh Barakat, segundo um ativista sírio, Rami Jarrah.

A Coalizão Nacional da oposição síria, com sede em Istambul, homenageou as duas mulheres e denunciou "um assassinato atroz", responsabilizando "a mão do terrorismo e da tirania" do regime de Assad.

Riyad Hijab, coordenador do Alto Comitê Sírio de Negociações (HCN), afirmou no Twitter que "o assassino [...] não alcançará seus objetivos". "Pedimos que seja preso e levado à justiça".

Halla Barakat trabalhava para o site Orient News e havia sido empregada no canal de língua inglesa da televisão pública turca (TRT).

Desde o início do conflito na Síria, em março de 2011, quase três milhões de sírios, incluindo numerosos opositores do presidente Bashar Al-Assad e jornalistas, se refugiaram na Turquia.

burs-gkg/ezz/sba/jvb/mr

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP