Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O defensor público Tarek William Saab, em Caracas, em 3 de abril de 2017

(afp_tickers)

Os organismos de controle da Venezuela, agrupados no Conselho Moral, rechaçaram nesta quinta-feira a possibilidade de abrir um processo para destituir os magistrados do Tribunal Supremo de Justiça, como exige o Parlamento dominado pela oposição.

O também denominado Poder Moral descartou uma solicitação do Legislativo para declarar que os juízes cometeram uma "falta grave" ao assumir temporariamente as competências parlamentares, disse o defensor público Tarek William Saab.

Este requisito era necessário para que a Assembleia Nacional, de maioria opositora, pudesse votar a destituição dos juízes, aos quais acusa de servir ao governo do presidente Nicolás Maduro.

"O Conselho Moral Republicano acordou declarar a improcedência da referida solicitação uma vez que este órgão de expressão do Poder Cidadão considera ilegítimo emitir pronunciamento sobre as supostas faltas incorridas pelos magistrados e magistradas da Sala Constitucional do Tribunal Supremo de Justiça", destacou o defensor.

"Isto, devido a que as sentenças (...) de 28 e 29 de março de 2017 já foram de ofícios esclarecidas mediante decisões complementares", acrescentou Saab à emissora de TV governamental.

Com as sentenças a que o defensor se referiu, o Tribunal Supremo assumiu temporariamente as competências do Parlamento e tirou a imunidade dos deputados. Ambas as decisões foram parcialmente anuladas no sábado.

O Conselho Moral é constituído, além do defensor, do controlador e da procuradora-geral, que declarou na semana passada que as decisões representavam uma "ruptura da ordem constitucional".

Saab não informou com quantos votos foi aprovada a decisão.

A oposição foi às ruas nesta quinta-feira para exigir a destituição dos magistrados e eleições gerais para resolver a grave crise política e econômica que o país atravessa.

Mas Maduro descarta uma antecipação das eleições presidenciais, previstas para dezembro de 2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP