Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tanto os maiores quanto os menores animais do mundo enfrentam um maior risco de extinção devido às atividades humanas

(afp_tickers)

Tanto os maiores quanto os menores animais do mundo enfrentam um maior risco de extinção devido às atividades humanas, disseram pesquisadores nesta segunda-feira.

As pessoas são a maior ameaça à sobrevivência das grandes criaturas, como o tubarão-baleia, o esturjão-atlântico, a avestruz-da-Somália, a salamandra-gigante-da-China e o dragão-de-Komodo, segundo o estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Grandes vertebrados são muitas vezes pescados e caçados como capturas acessórias não intencionais.

"Muitas das espécies maiores estão sendo mortas e consumidas pelos seres humanos", disse o autor principal do estudo, William Ripple, professor de Ecologia na Universidade do Estado de Oregon.

"Cerca de 90% de todas as espécies ameaçadas com mais de um quilograma estão ameaçadas pela captura", disse.

Enquanto isso, as ameaças aos animais menores - aqueles que pesam menos de 77 gramas - também são bastante altas, devido principalmente à perda de habitat.

"As espécies pequenas que necessitam habitats de água doce estão especialmente ameaçadas", diz o texto.

Perder as maiores e menores espécies pode afetar ecossistemas inteiros.

A menos que as coisas mudem, as atividades impulsionadas pelo homem eliminarão grandes e pequenas criaturas de tal forma que "a estrutura da vida em nosso planeta será fundamentalmente reordenada", disse o estudo.

Saber quais criaturas estão em risco pode ajudar a direcionar os esforços de conservação, disseram pesquisadores.

O estudo foi baseado na análise de mais de 27.000 espécies de animais vertebrados avaliadas pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP