Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente americano, Donald Trump

(afp_tickers)

Seguem abaixo alguns dos episódios mais marcantes desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, tomou posse, em 20 de janeiro de 2017:

- 'Fatos alternativos' -

Da escadaria do Capitólio, Trump pronunciou um discurso de posse, no qual pintou um panorama sombrio dos Estados Unidos, com uma péssima situação econômica e uma criminalidade galopante. Ao mesmo tempo, chamou os políticos de oportunistas que enriquecem às custas das pessoas comuns e prometeu conter essa "carnificina".

No dia seguinte, em conversa com os jornalistas, o então porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, insistiu em que o número de pessoas presentes na posse foi muito maior do que na de Barack Obama, em 2008. Contrariando a evidência das fotos aéreas, garantiu que os jornais estavam distorcendo a informação. Mal completava um dia e a Presidência de Trump já se via mergulhada em uma polêmica por sua maneira de lidar com os fatos.

- Decreto migratório -

Em 27 de janeiro, Trump assinou uma ordem executiva, vetando a entrada em território americano de cidadãos de sete países de maioria muçulmana, por um período de 90 dias, e de todos os refugiados, por 120 dias.

O caos nos aeroportos foi imediato, com vários viajantes detidos no desembarque e em meio ao mal-estar dos agentes de segurança, que não tinham orientação e clareza suficientes sobre como aplicar a nova norma.

Na sequência, vieram protestos em todo país, rejeitando uma medida classificada de discriminatória contra os muçulmanos. Trump alegou que seu objetivo era manter os terroristas longe dos Estados Unidos.

Esse primeiro decreto foi rapidamente bloqueado pela Justiça, assim como uma segunda versão emitida em março. Nela, o Iraque não estava mais na lista de países vetados.

Uma terceira versão, que incluiu os cidadãos norte-coreanos e funcionários do governo da Venezuela, deveria entrar em vigor em meados de outubro, mas também foi barrada na Justiça.

- Demissão de Comey -

Em 9 de maio, Trump demitiu o então diretor do FBI (a Polícia Federal americana), James Comey, tirando de cena o homem à frente da investigação sobre a suspeita de conluio entre a equipe de campanha do republicano e a Rússia. O objetivo seria atingir a candidatura da democrata Hillary Clinton, rival de Trump na corrida presidencial.

Como justificativa inicial para a demissão, o presidente alegou estar insatisfeito com a maneira como Comey administrou uma investigação sobre o uso de e-mail privado, por parte de Hillary, quando era secretária de Estado. Depois, reconheceu que, na verdade, tinha em mente o caso russo.

A decisão teve um efeito bumerangue. A saída de Comey levou o Departamento de Justiça a designar Robert Mueller como procurador especial para liderar a investigação sobre a ingerência russa na campanha eleitoral. Recorrentemente, Trump se refere a isso como "notícias falsas".

Na segunda-feira passada (30), Mueller anunciou os primeiros indiciamentos. O ex-chefe de campanha de Trump Paul Manafort e um associado foram postos sob prisão domiciliar, após serem acusados de lavagem de dinheiro, de conspiração e de falso testemunho. Também foi denunciado George Papadopoulos, até então um desconhecido assessor de política externa que confessou ter falado com membros da equipe de campanha para acertar encontros com funcionários russos.

- 'Pittsburgh, não Paris' -

Em consonância com seu principal slogan de campanha, "America first" ("os Estados Unidos primeiro"), Trump anunciou em 1º de junho sua decisão de retirar o país do Acordo de Paris contra mudança climática, argumentando que é injusto e nocivo para a economia e para os trabalhadores americanos. Ignorou amplamente as queixas de grupos ambientais, de líderes mundiais, da indústria e até de sua filha Ivanka.

"Fui eleito para representar os cidadãos de Pittsburgh, não de Paris", declarou o presidente.

- Expectativa x Realidade -

Ao longo da campanha e já na Presidência, Trump prometeu acabar com a reforma no sistema de saúde promovida por seu antecessor, o democrata Barack Obama. Para o republicano, o "Obamacare" - que proporciona cobertura médica a milhões em um país sem um sistema de saúde universal - é "desastroso".

Com o tempo, Trump acabou se dando conta de que uma coisa é fazer promessas de campanha, e outra, bem diferente, é conseguir vê-las aprovadas pelo Congresso - especialmente com seu partido dividido sobre o tema.

- Porta giratória -

As pessoas vão e vêm na Casa Branca de Trump, mas nenhum episódio foi tão turbulento quanto a chegada de Anthony Scaramucci. Sua posse em julho como diretor de Comunicação levou o porta-voz Sean Spicer a renunciar ao cargo, em protesto.

Scaramucci durou apenas dez dias no posto, período durante o qual usou uma retórica pesada e imprópria para atacar outros funcionários da Casa Branca.

Quando o general reformado John Kelly assumiu a chefia de gabinete da Presidência (no lugar de Reince Priebus) para pôr alguma ordem, Scaramucci foi demitido.

- 'Homem-foguete' -

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU em setembro, Trump se gabou sobre o poder militar americano e disse estar pronto para romper o acordo nuclear com o "regime assassino" do Irã. Além disso, prometeu destruir a Coreia do Norte, se seu regime ameaçar os Estados Unidos, ou seus aliados, com seu programa nuclear. Também chamou o líder norte-coreano, Kim Yong-un, de "Homem-foguete" em uma "missão suicida".

O discurso de Trump - descrito como uma "tempestade de tuítes" por um analista político - lançou uma onda expansiva pelo mundo e alimentou a guerra retórica com o líder norte-coreano.

Para além de seu estilo belicoso, Trump esboçou uma doutrina que pode transformar o lugar que os Estados Unidos ocupam no mundo, deixando claro seu desejo de recuperar a primazia americana - ainda que isso represente um recuo em meio século de avanço nas normas de governança global e no multilateralismo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP