Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados do Exército Nacional Afegão (ANA) marcham durante treinamento com soldados da Otan, em 9 de fevereiro de 2017, em Harat

(afp_tickers)

Os países da Otan deram luz verde nesta quarta-feira (8) ao recurso de táticas de guerra cibernética nas operações da Aliança Atlântica, iniciando uma nova etapa para reforçar sua "dissuasão" perante a Rússia.

Os 29 ministros da Defesa da organização, reunidos em Bruxelas, também aprovaram a criação de dois centros de comando para contribuir com a proteção da Europa.

Desde a anexação da Crimeia e a ofensiva dos rebeldes pró-russos no leste da Ucrânia em 2014, a Otan realiza uma profunda transformação perante uma Rússia considerada mais agressiva.

A Rússia "investe muito em matéria de defesa há vários anos, [adquirindo] capacidades modernas, forças convencionais e nucleares, e mostrou que queria fazer uso da força contra países vizinhos", ressaltou o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, em alusão à Ucrânia.

"A Otan soube responder. Nós nos adaptamos constantemente", insistiu, recordando a mobilização de batalhões nos países bálticos e na Polônia.

- Artigo 5 -

Desde 2016, a Otan considera o ciberespaço como um "terreno operacional".

Portanto, "um ciberataque pode ativar o artigo 5" do Tratado fundador da Aliança, que prevê que os países-membros acudam em ajuda de um aliado em caso de agressão, lembrou Stoltenberg.

Alguns países da Aliança usaram "com muita eficácia" no Iraque e na Síria contra o grupo Estado Islâmico (EI) táticas de ciberguerra - contra páginas da web ou contra redes sociais, para interceptar intercâmbios, apagar servidores ou sabotar as tecnologias usadas em combate -, apontou.

As principais potências da Otan (Estados Unidos, Reino Unido e França) dispõem de capacidades ofensivas nesta área, mas um recente exercício da Otan revelou importantes fragilidades, enquanto a Rússia tem reputação de excelência na questão, segundo diplomatas.

"Nós temos que ser igualmente eficazes no campo cibernético como somos em terra, mar e ar", avaliou o chefe da Aliança.

Para "reforçar sua dissuasão", a Otan lançou nesta quarta-feira uma remodelação de sua estrutura de comando, o que porá fim a uma série de vagas de seus efetivos, que passaram de 22.000 homens em tempos da Guerra Fria a 6.800 atualmente.

A Otan quer, assim, adicionar dois centros de comandos mais, um para proteger as linhas de comunicação através do Atlântico e outro para coordenar o movimento de tropas e equipamento na Europa.

Mas os 29 Estados-membros, sob pressão do presidente americano, Donald Trump, para aumentar suas despesas, não abordarão as questões mais difíceis (amplitude do aumento de efetivos, orçamentos e pontos de implantação) até fevereiro próximo.

- 16.000 soldados no Afeganistão -

Nesta quinta-feira (9), a Otan deve responder a outra demanda da Casa Branca, que pediu reforços para a missão no Afeganistão e à sua "nova estratégia" no país.

Após 16 anos de conflito e apesar de centenas de bilhões de dólares em ajuda internacional, os talibãs, que controlam 40% do território afegão, continuam multiplicando os ataques contra o exército e os atentados, inclusive na capital, Cabul.

"Resolute support", a missão de assessoria e assistência da Otan ao exército afegão, conta atualmente com 13.000 soldados e passará "a 16.000 no ano que vem", segundo Stoltenberg.

Os Estados Unidos aportarão 2.800 efetivos e seus aliados, cerca de 700, segundo fontes diplomáticas.

Na tarde de quinta-feira, o secretário de Defesa americano, Jim Mattis, se reunirá com cerca de trinta ministros e representantes dos países que integram a coalizão contra o grupo EI para falar da campanha militar no Iraque e na Síria.

A queda de Mossul, no Iraque, e mais recentemente de Raqa, a "capital" do EI, na Síria, abrem a via a considerações o pós-Estado Islâmico, comentou Mattis à imprensa no avião que o levou à Europa.

"Há muitas expectativas", destacou uma fonte francesa, especialmente à vista do discurso ofensivo de Trump contra o Irã.

"A gente se pergunta como vão se manifestar na prática na estratégia militar os discursos dos altos funcionários americanos sobre a necessidade de fazer com que se reduza a presença iraniana na região", explicou.

Durante os dois dias de reunião em Bruxelas, os ministros da Defesa também abordarão a crise com a Coreia do Norte, o ponto principal do jantar de trabalho, previsto para a noite de quarta-feira, ao qual deve se somar a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP