Navigation

Países latino-americanos se comprometem a regularizar migrantes venezuelanos

Segunda reunião regional sobre a migração venezuelana, na sede da chancelaria em Quito. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. novembro 2018 - 00:39
(AFP)

Oito países latino-americanos se comprometeram nesta sexta-feira, em Quito, buscar mecanismos para regularizar os imigrantes venezuelanos, apesar das dificuldades que enfrentam pela ausência de documentos.

Dos 13 países que participaram do segundo encontro regional sobre a migração venezuelana, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai firmaram um "Plano de Ação" regional.

O documento assinala que serão fortalecidas as iniciativas "para uma adequada inserção econômica e social dos cidadãos venezuelanos, por meio de processos de normalização migratória dentro das possibilidades e da legislação de cada país de acolhida".

Brasil e México manifestaram seu apoio à resolução, mas não firmaram o documento porque estão em um período de transição de governo.

O Panamá assinalou que fará consultas, e Guatemala e República Dominicana decidiram não assinar o documento.

Santiago Chávez, vice-ministro equatoriano de Mobilidade Humana, considerou fundamental que os venezuelanos que fogem da grave crise econômica e política em seu país apresentem seus documentos de viagem para que possam ter acesso à saúde, educação, habitação e trabalho nas demais Nações.

"Estamos insistindo justamente em que a Venezuela cumpra com sua obrigação de documentar seus cidadãos", declarou Chávez em entrevista coletiva.

Segundo a ONU, desde 2015 ao menos 2,3 milhões de venezuelanos abandonaram seu país. Colômbia, Peru e Equador são os principais destinos destes emigrantes, que fogem da escassez de alimentos e medicamentos, e de uma inflação galopante.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.