AFP

Kate (E) e Gerry (D) McCann, cuja filha Madeleine desapareceu durante as férias em Portugal há 10 anos, durante entrevista à BBC, em Loughborough, em 28 de abril de 2017

(afp_tickers)

Os pais da menina britânica desaparecida em Portugal, Madeleine McCann, prometeram fazer "o que for preciso" para encontrar sua filha, enquanto marcam o décimo aniversário de seu desaparecimento.

"Pode ser que não seja tão rápido quanto queremos, mas está havendo um progresso real (...), só temos que continuar com o processo e fazer o que for preciso, pelo tempo que for necessário", disse a mãe, Kate McCann, em uma entrevista à BBC transmitida neste domingo.

Na quarta-feira são completados 10 anos desde que Madeleine, que tinha três anos na época, desapareceu do apartamento de férias de seus pais em um complexo da Praia da Luz, em Algarves, no sul de Portugal.

Apesar de uma ampla lista de suspeitos e de teorias sobre o que aconteceu, ninguém foi condenado por seu desaparecimento.

"Minha esperança de que Madeleine esteja ali fora continua sendo a mesma de há quase 10 anos", assegurou sua mãe.

A polícia britânica lançou uma nova operação para encontrar a pequena em 2011, mas foi interrompida em 2015. A Scotland Yard disse na semana passada que continua seguindo pistas "cruciais" da investigação.

"Desde que a polícia metropolitana começou sua investigação, tiraram de nós uma grande pressão, individualmente e como família", disse o pai, Gerry McCann.

"Depois da investigação portuguesa inicial ter sido encerrada, essencialmente ninguém mais esteve fazendo algo realmente ativo para tentar encontrar Madeleine", acrescentou.

O casal prometeu continuar sua batalha legal contra o ex-detetive Gonçalo Amaral, que alegou que Madeleine havia morrido acidentalmente e que os pais ocultaram o cadáver.

Kate McCann, de 49 anos, publicou nesta semana em sua conta do Facebook uma mensagem dizendo que ela, seu marido e seus dois filhos estavam "dando apoio uns aos outros nas próximas semanas".

"A maior parte dos dias é igual ao resto, mais um dia. Em 3 de maio de 2017, mais um dia. Mas 10 anos é algo horrível, um tempo roubado", escreveu.

AFP

 AFP