Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Julho) Juízes nomeados pela Assembleia Nacional prestam juramento para a Suprema Corte paralela, em uma praça pública de Caracas

(afp_tickers)

O governo panamenho concedeu asilo político a dois juízes nomeados pelo Parlamento venezuelano, controlado pela oposição e que não é reconhecido pelo governo do presidente Nicolás Maduro - informou a Chancelaria do Panamá nesta sexta-feira (4).

Segundo a nota oficial, foi aceito o pedido de asilo de Gustavo Sosa Izaguirre e de Manuel Antonio Espinoza Melet, integrantes do grupo de 33 magistrados da Suprema Corte "paralela" nomeada pela Assembleia Nacional em 21 de julho.

De acordo com o governo panamenho, os dois magistrados se encontram na embaixada do Panamá em Caracas há alguns dias.

Sosa denunciou constantes ameaças por parte de altos funcionários do governo e militantes do partido chavista, enquanto Espinoza falou de uma violenta perseguição contra os magistrados e suas famílias, de acordo com um decreto do Executivo panamenho publicado no Diário Oficial.

O Panamá pediu ao governo Maduro que "negocie uma saída política dentro da Constituição vigente na Venezuela" e no "mais estrito respeito aos Direitos Humanos para o bem-estar de sua população", segundo a nota.

O Panamá faz parte dos países, entre os quais se encontram Estados Unidos, Espanha, Argentina e Colômbia, que anunciaram não reconhecer a Assembleia Constituinte, que será instalada nesta sexta por Maduro.

Na quinta-feira, o Chile informou que há seis opositores venezuelanos refugiados em sua embaixada de Caracas, ao confirmar a chegada do advogado Luis Marcano na representação diplomática em busca de "proteção".

Entre o último sábado e esta quarta-feira (2), entraram na embaixada do Chile Zuleima Del Valle, Beatriz Ruiz, José Fernando Núñez e Elenis Del Valle, os quatro integrantes do Supremo Tribunal "paralelo".

Em abril, a embaixada chilena recebeu o dirigente opositor Roberto Enríquez, presidente do partido social cristão Copei. Ele foi acusado pelo líder chavista Diosdado Cabello de estar envolvido em um "plano golpista" contra o presidente Nicolás Maduro.

O governo de Michelle Bachelet se disse decepcionado com a "ilegítima" eleição dos constituintes realizada domingo passado (30) na Venezuela e exortou Caracas, várias vezes, a negociar para tirar o país caribenho da profunda crise política e econômica que atravessa.

Ao contrário do Panamá, no caso do Chile não foi informado se houve pedido de asilo.

Em 22 de julho passado, o magistrado Ángel Zerpa Aponte foi detido um dia depois de sua designação pela Assembleia Nacional e, levado a um tribunal militar que ordenou sua prisão.

AFP