Navigation

Panamá e Colômbia vão facilitar passagem de migrantes que tentam entrar nos EUA

Migrantes esperam para deixar um centro de acolhimento na província de Darién, no Panamá, em 5 de agosto de 2021 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 06. agosto 2021 - 14:09
(AFP)

Panamá e Colômbia vão facilitar o trânsito controlado por seus territórios de migrantes irregulares que tentam chegar aos Estados Unidos. A medida busca atender e proteger do crime organizado a enxurrada de pessoas que, atingidas pela pandemia, atravessam a inóspita selva panamenha.

O acordo, graças ao qual uma série de cotas será estabelecida na próxima semana, foi alcançado nesta sexta-feira (6) após um encontro entre delegações dos dois países na cidade panamenha de Metetí, na província de Darién, na selva.

Somente neste ano, 49.000 migrantes cruzaram a fronteira entre a Colômbia e o Panamá, o mesmo número dos últimos quatro anos juntos, fugindo da crise gerada pela covid-19, pobreza e violência em seus países de origem.

A reunião contou com a presença da vice-presidente e chanceler colombiana, Marta Lucía Ramírez, e da chanceler panamenha, Érika Mouynes, além de ministros e altos funcionários da Segurança.

Na segunda-feira, outra delegação panamenha viajará à Colômbia "para determinar um número, uma cota de migrantes" que possa "ser recebida de maneira segura e ordenada pelo lado panamenho", disse Mouynes após o encontro.

“Vamos regularizar um contingente ou um número diário de pessoas que se deslocam preferencialmente em um único local, que têm apenas um local de chegada no Panamá”, acrescentou Ramírez.

Ambos os países vão estudar alternativas de transporte possíveis para evitar que os migrantes tenham que cruzar a temida selva de Darién.

“Não queremos que esses migrantes corram o risco de se afogar ou, obviamente, passar pelo Darién, onde sabemos que eles correm muitos riscos”, disse Ramírez.

A Colômbia e o Panamá devem buscar, em uma próxima reunião regional, que outros países, incluindo os Estados Unidos, se associem um acordo regional de cotas que permite a passagem controlada de migrantes.

“Este é um processo que envolve muitos países”, disse Mouynes.

- Evitar o crime organizado -

O grande fluxo de pessoas ameaça sobrecarregar os centros de atendimento que as autoridades panamenhas instalaram para cuidar dos migrantes após sua passagem pela selva de Darién, que se tornou um verdadeiro corredor de migração irregular.

Há várias semanas, milhares de migrantes, incluindo menores e mulheres grávidas, esperam no porto colombiano de Necoclí por barcos que os levem à fronteira com o Panamá para cruzar Darién.

Este corredor de selva de 266 km entre a Colômbia e o Panamá se tornou uma etapa obrigatória para a imigração irregular da América do Sul ao México, Estados Unidos e Canadá.

Os migrantes atravessam a selva de 575.000 hectares, apesar de não existirem rotas terrestres de comunicação, e enfrentam grupos criminosos, rios e animais selvagens como cobras venenosas.

Os dois países também concordaram em facilitar a cooperação policial e judiciária para evitar que redes criminosas aproveitem a migração irregular para realizar suas atividades.

Nos últimos anos, entre os migrantes, as autoridades panamenhas detectaram cerca de 60 pessoas com alerta de terrorismo.

Nossos dois países têm um grande compromisso humanitário, mas também são dois países expostos a todo esse tráfico de pessoas que anda de mãos dadas com o narcotráfico que os dois países querem evitar ”, disse Ramírez.

“Vamos de uma vez por todas, organizada e bilateralmente, atingir essas organizações criminosas que se aproveitam desse fenômeno migratório”, disse o ministro da Segurança do Panamá, Juan Pino.

-"Ansiedades e necessidades" -

De acordo com dados oficiais, ao longo de uma década, mais de 150.000 pessoas cruzaram o Darién. Embora a pandemia tenha reduzido muito o tráfego, em 2021 os números explodiram novamente.

Até agora este ano, 49.000 pessoas cruzaram a fronteira, a grande maioria haitianos e cubanos, embora também haja asiáticos e africanos.

Especialistas alertam que antes da pandemia, os migrantes cruzavam o Panamá durante a estação seca (geralmente entre dezembro e abril) porque as condições climáticas tornam menos difícil atravessar a selva.

Mas agora, desesperados pela pandemia, pobreza e violência, eles fazem a jornada em qualquer época do ano.

"Sabemos que a pandemia teve um impacto muito sério em toda a população" e que se traduziu em "ansiedades e necessidades" para "realizar o sonho americano", disse à AFP Santiago Paz, chefe da Organização Internacional para as Migrações (IOM ) no Panamá.

No entanto, “não só podem ser vítimas do tráfico de seres humanos, mas podem perder a vida” devido às condições extremas do percurso na selva, alerta.

A cubana Galianna García conhece bem essas difíceis condições depois de passar oito dias em Darien.

“Cinco homens nos roubaram com pistolas, apontaram minha filha na cabeça e tiraram tudo de nós, roupas, dinheiro, passaporte, tiraram tudo de nós. Foi muito difícil. Na selva deixamos uma mulher que está morrendo”, disse García à AFP.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?