Navigation

Pandemia obriga Tokyo Game Show a se reinventar

Tokyo Game Show de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. setembro 2020 - 11:37
(AFP)

Como muitos outros congressos no mundo, o Tokyo Game Show, o grande evento japonês do videogame, será realizado de forma virtual este ano devido à pandemia de coronavírus. Uma situação que pode criar a oportunidade para a sua reinvenção.

O evento, que acontecerá de quarta-feira a domingo, se tornou muito popular nos últimos anos, com mais de 250 mil visitantes nas últimas edições.

"O Tokyo Game Show (TGS) está em declínio há 10-15 anos", constata o analista Serkan Toto, da Kantan Games de Tóquio, consultado pela AFP. A causa pode ser a perda da hegemonia dos jogos japoneses nesse período, segundo ele.

Criado em 1996 e inevitável no início dos anos 2000, o TGS viu a competição aumentar com o salão E3 de Los Angeles - que este ano foi cancelado - e a Gamescom de Colônia, no oeste da Alemanha - que foi organizado de modo virtual há algumas semanas.

O evento alemão lidera em número de visitantes e os desenvolvedores de jogos o preferem para anunciar suas novidades.

"Parece que a cada ano há mais visitantes e menos anúncios no TGS", aponta Brian Ashcraft, jornalista do site especializado Kotaku, que mora no Japão e faz a cobertura do salão há mais de 15 anos.

Nos últimos anos, o TGS tem se concentrado mais no mercado japonês. "Está ficando cada vez mais claro que o TGS está se voltando para dentro, ao invés do mercado internacional", de acordo com Toto.

- Apresentações em inglês, em chinês -

Organizado pouco antes do Natal, período em que o setor realiza grande parte de suas vendas, "o TGS permite que os visitantes experimentem" os títulos anunciados em outros salões, explica à AFP Yasuyuki Yamaji, secretário-geral da associação Cesa, que administra o evento.

"As pessoas também vêm pela simpatia, para assistir a competições de e-sport, para fazer cosplay ou para passar algum tempo de qualidade com a família", acrescenta.

Este ano não será possível compartilhar esses momentos. Mas o salão espera aproveitar o fato da migração online para atingir um público mais amplo, já que até agora de "70% a 80% dos visitantes geralmente vêm de e dos arredores de Tóquio", de acordo com Yamaji.

Mais da metade dos expositores deste ano serão estrangeiros, afirma o executivo, que prevê uma edição "mais global".

Algumas empresas farão os anúncios em inglês e chinês, além de japonês. É o caso da Square Enix (franquia Final Fantasy), Capcom (Street Fighter, Resident Evil) ou Sega Atlus (Persona).

A barreira do idioma era "um problema" para o TGS, diz Serkan Toto.

Outra dificuldade enfrentada por este congresso japonês é a ausência da gigante Nintendo, que domina o mercado japonês. Sua compatriota Sony já revelou na semana passada os detalhes do PlayStation 5, que deve ser lançado em novembro.

Por sua vez, a gigante americana Microsoft já informou que não falará no TGS sobre seus novos consoles Xbox Series, que também serão lançados em novembro.

Com o confinamento digital do evento, seus organizadores esperam aproveitar ao máximo a experiência para as próximas edições.

Se a pandemia permitir no próximo ano, "gostaríamos de propor um evento físico híbrido, que preserve as vantagens do TGS online, como apresentações remotas", explica Yamaji.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.