Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente da FN, Marine Le Pen

(afp_tickers)

Segue abaixo o panorama dos principais partidos de extrema direita da União Europeia, após o resultado histórico da Alternativa para a Alemanha (AfD) nas eleições legislativas alemãs do último domingo (24).

Formação populista anti-imigrantes, a AfD conquistou 12,6% dos votos, para se tornar a terceira força política do país. O movimento, que poderá contar com cerca de 90 deputados, é o primeiro de extrema direita a entrar no Bundestag desde 1945.

- França -

Após uma campanha eleitoral centrada na saída do euro, no restabelecimento das fronteiras e na imigração, a candidata da Frente Nacional, Marine Le Pen, qualificou-se para o segundo turno da eleição presidencial de maio passado, com uma pontuação histórica para a FN (7,6 milhões de votos, ou 21,3%).

Ela acabou sendo vencida pelo centrista Emmanuel Macron, com 33,9% dos votos.

Nas eleições legislativas que se seguiram, a FN não conseguiu formar um grupo na Assembleia Nacional, enviando apenas oito deputados.

Fragilizada por disputas internas, Marine Le Pen tem tentado promover uma "refundação" do partido.

- Holanda

O Partido para a Liberdade (PVV) anti-Islã de Geert Wilders se tornou em março a segunda força política no Parlamento holandês, atrás dos liberais, com 20 assentos de um total de 150.

O movimento criado em 2006 continua a ser rejeitado pelas demais siglas. As negociações para a formação de um governo de coalizão estão em um impasse.

- Bulgária

Em terceiro lugar nas eleições legislativas de março de 2017 na coalizão "Patriotas Unidos", os nacionalistas búlgaros entraram em maio no governo, onde obtiveram dois postos de vice-primeiro-ministro, dois ministérios e várias pastas de vice-ministros.

Hostis às minorias turca e cigana, aos imigrantes e aos homossexuais, os "Patriotas Unidos" são, no entanto, a favor da União Europeia (UE) e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

- Áustria

Qualificado para o segundo turno da eleição presidencial de dezembro de 2016, o candidato do FPÖ, Norbert Hofer, não conseguiu se tornar o primeiro presidente de direita de um Estado da UE.

A poucas semanas das eleições legislativas de 15 de outubro, o FPÖ (Partido da Liberdade da Áustria), que atualmente tem 38 deputados, aparece com o segundo, ou terceiro, lugar nas pesquisas.

Apesar de ter abafado suas vozes mais eurocéticas desde o Brexit, o partido retormou os slogans abertamente xenófobos com a aproximação das eleições.

- Itália

Antigo movimento secessionista, a Liga do Norte se transformou em um partido antieuro e anti-imigrantes.

No início de dezembro de 2016, fez campanha pelo "não" no referendo sobre uma revisão da Constituição, resultando na queda do governo de Matteo Renzi.

A Liga do Norte conquistou 18 assentos na Câmara dos Deputados nas eleições legislativas de 2013.

- Eslováquia

Nossa Eslováquia (LSNS), partido neonazista criado em 2012, aproveitou-se do medo dos imigrantes para entrar no Parlamento, em 2016, com 14 assentos de um total de 150.

- Grécia

Graças à crise migratória, o Aurora Dourada (AD) conquistou seu lugar no Parlamento nas legislativas de setembro de 2015, com 6,99% de votos e 18 deputados. Um deputado deixou a legenda.

AD nega ser neonazista e se diz "um movimento nacionalista" defensor da "raça branca". Todos os seus líderes são julgados desde abril de 2015 por pertencerem a um grupo criminoso.

- Suécia

Os Democratas da Suécia (SD) fizeram um avanço histórico em setembro de 2014, tornando-se a terceira força política do país, com 13% dos votos. Eles contam com 48 assentos no Parlamento de um total de 349.

Fundado em 1998, este partido nacionalista e anti-imigração, cujas raízes estão no movimento neonazista, distanciou-se dos grupos racistas e violentos que foram muito ativos na década de 1990.

- Bélgica

Defensor da independência de Flandres, o Vlaams Belang (VB, Interesse flamengo) ocupa desde junho de 2014 três dos 150 assentos na Câmara de Representantes.

Em claro recuo, viu seu eleitorado ser atraído pelo partido nacionalista Nova Aliança Flamenga (N-VA).

- Hungria

O Jobbik (Movimento por uma Hungria Melhor) é a segunda força do Parlamento, com 24 deputados.

Diante da linha-dura anti-imigração e autoritária do primeiro-ministro conservador Viktor Orban, o partido deixou de lado os slogans violentamente racistas e antissemitas para se concentrar na corrupção, na saúde e na educação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP