Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O papa Francisco antes de uma cerimônia em Villavicencio, Colômbia, no dia 8 de setembro

(afp_tickers)

O papa Francisco visita neste sábado Medellín, cidade que já foi a capital do narcotráfico, para sua terceira grande missa na Colômbia.

Centenas de jovens de várias cidades do país passaram a noite a céu aberto para acompanhar uma missa em homenagem ao São Pedro Claver, defensor dos direitos dos escravos.

Depois de pronunciar contundentes homilias e mensagens de defesa da paz, Francisco visita o reduto político do ex-presidente Alvaro Uribe, grande inimigo do processo de paz, para falar de outros temas que afetam os colombianos.

Esta é a segunda visita de um papa a Medellín, depois da viagem de João Paulo II em 1986.

Francisco honrará a memória do pontífice polonês santificado com uma missa no Aeroporto Internacional Olaya Herrera, o mesmo no qual mais de um milhão de pessoas se reuniram há 31 anos.

As autoridades da cidade, historicamente rival de Bogotá, esperam desta vez reunir dois milhões de fiéis e superar o público de 1,3 milhão de Bogotá.

A visita a Medellín tem um forte significado pessoal para o pontífice argentino, porque foi nesta cidade em que a hierarquia da igreja da América Latina decidiu em 1968 comprometer-se com a causa dos setores populares, a chamada "opção preferencial pelos pobres", que atualmente é a prioridade de Francisco, o primeiro papa latino-americano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP