Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O ex-premier do Paquistão Nawaz Sharif

(afp_tickers)

O Tribunal de Contas do Paquistão emitiu nesta quinta-feira uma ordem de prisão contra o ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, destituído em julho por um caso de corrupção, a menos de um ano das eleições legislativas.

"O Tribunal de Contas divulgou uma ordem de prisão contra o ex-primeiro-ministro por dois supostos casos de corrupção", declarou um dos advogados de defesa, Zafir Khan.

Sharif foi acusado na semana passada por corrupção pelo mesmo tribunal. O advogado de Sharif afirma que o cliente é inocente.

O ex-premier não retornou ao Paquistão desde o seu indiciamento. Atualmente está na Arábia Saudita, depois de visitar a esposa em Londres, onde ela passa por um tratamento contra o câncer, segundo a imprensa paquistanesa.

Zafir Khan informou que uma audiência com Sharif foi adiada para 3 de novembro.

A Suprema Corte destituiu Sharif em julho, quando ele estava em seu terceiro mandato de chefe de Governo, depois das revelações sobre os luxuosos imóveis do ex-premier comprados por meio de contas off-shore.

O escândalo explodiu após a publicação dos 'Panama Papers', documentos de um escritório de advocacia panamenho que mostravam os esquemas financeiros de seus clientes, entre eles Sharif, para evitar impostos ou esconder fortunas.

A imprensa paquistanesa criticou na ocasião o luxuoso estilo de vida e as propriedades da família em Londres. A filha do ex-primeiro-ministro, Maryam, e seu genro foram indiciados nesta quinta-feira por corrupção, segundo uma fonte do governo.

Sharif foi obrigado a renunciar ao mandato de primeiro-ministro, assim como a sua cadeira de deputado por Lahore. Em uma série de discursos ele criticou a sentença.

Ele designou o ex-ministro do Petróleo Shahid Khaqan Abbasi para sucedê-lo à frente do governo. E escolheu seu irmão, Shahbaz Sharif, atual governador da província de Punjab, como seu sucessor político.

Mas a menos de um no das eleições legislativas, os irmãos já demonstram divergências e a unidade do partido governista registra fissuras cada vez maiores.

O partido tem dois lados definidos: um defende Nawaz Sharif, apesar dos processos contra ele, e o outro considera que Shahbaz está em melhores condições para vencer a batalha eleitoral.

Nos 70 anos de história do Paquistão, nenhum dos 15 primeiros-ministros do país conseguiu completar os cinco anos de mandato.

Sharif se viu obrigado em três oportunidades a deixar o cargo. A primeira aconteceu após um escândalo de corrupção, a segunda por um golpe de Estado e a terceira por decisão da Suprema Corte, em consequência das suspeitas de corrupção.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP