Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O site NRKbeta exige que os visitantes respondam três perguntas após a leitura do texto para que possam deixar comentários nas matérias

(afp_tickers)

Um site norueguês decidiu colocar um filtro para as mensagens mal intencionadas em sua página por meio de um método inovador e eficaz: obrigar os leitores a realmente lerem as matérias antes de comentá-las.

Desde meados de fevereiro, a NRKbeta, filial da NRK, empresa de radiotelevisão pública especializada em mídia e tecnologia, exige que os visitantes respondam três perguntas após a leitura do texto para que possam deixar comentários nas matérias.

"Geralmente, vemos que muitos leem apenas o título e algumas linhas antes de começarem a comentar para participar do debate", contou nesta quinta-feira (02) à AFP o redator-chefe da NRKbeta, Marius Arnesen.

"Fazendo três perguntas baseadas no texto, temos certeza de que a discussão ocorrerá com uma base de conhecimentos em comum", ressaltou.

Dessa forma, o site pretende elevar o nível do debate, além de moderar reações inadequadas.

"Se há algo na matéria que não lhe agrada, você ao menos é obrigado a fazer uma pausa, refletir um pouco e ler a matéria, caso não o tenha feito ainda. Assim, esperamos evitar o mal-estar provocado pelos comentários desagradáveis", disse Arnesen.

O experimento ainda é muito recente para se obter conclusões definitivas, explicou Arnesen. Ele afirma, porém, que o número de comentários se manteve estável, e a reação dos leitores regulares foi em geral positiva.

"Boa iniciativa", comentou um internauta no site, "embora minha fé na humanidade não vá tão longe a ponto de me fazer deixar de acreditar que todos os debates acabarão derrapando para coisas como Adolf Hitler, a imigração, os políticos corruptos, as teorias da conspiração...".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP