Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Embaixador adjunto britânico, Jonathan Allen(E), e americana Nikki Haley (D), em 14 de março de 2018 durante a reunião do Conselho de Segurança da ONU em Nova York

(afp_tickers)

A Rússia "é responsável" pelo envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido, afirmou nesta quarta-feira (14) a embaixadora dos Estados Unidos, Nikki Haley, durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU convocada por Londres.

"Os Estados Unidos acreditam que a Rússia é responsável pelo ataque a duas pessoas no Reino Unido, utilizando um gás nervoso de grau militar", disse a diplomata, que é a primeira funcionária americano a acusar Moscou.

Em 4 de março, o ex-espião Serguei Skripal, de 66 anos, e seu filha Yulia, de 33, foram envenenados com gás nervoso na cidade de Salisbury. Ambos estão em estado crítico.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou a Rússia a dar respostas, mas não sugeriu que Moscou tivesse envolvimento com a tentativa de assassinato.

O embaixador da Rússia repetiu na reunião que Moscou não está envolvida e sugeriu que o ataque foi uma provocação para empanhar a imagem de seu país ante a Copa do Mundo e as eleições.

"A Rússia não teve nada a ver com este incidente", disse Vassily Nebenzia. "Não temos nada a temer, nada a esconder", acrescentou.

Haley disse que Moscou "deve responsabilizar-se por suas ações", disse Haley na referência a Moscou. "Se não tomarmos medidas concretas imediatas para resolver esse agora, Salisbury não será o último lugar onde vemos armas químicas", advertiu Haley, enfatizando que não se trata de "um caso isolado".

O Reino Unido convocou a reunião do Conselho para somar apoio contra a Rússia pelo ataque que foi "patrocinado pelo Estado" russo, havia dito antes da reunião o embaixador adjunto britânico, Jonathan Allen.

Assim como os Estados Unidos, o embaixador da França, François Delattre, expressou durante a reunião o "apoio pleno" e "completa solidariedade da França" com o Reino Unido, embora não tenha apontado Moscou diretamente.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, expulsou nesta quarta-feira a 23 diplomatas russos e suspendeu as comunicações de alto nível, após considerar que Moscou é "culpado" pelo envenenamento do ex-espião.

Moscou negou estar envolvido no ataque e advertiu que responderá à expulsão de seus diplomatas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









Teaser Longform The citizens' meeting

Teaser Longform The citizens' meeting

The citizens' meeting

AFP