Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os chanceleres de Paraguai e Argentina, Eladio Loizaga (E) e Jorge Faurie, respectivamente, se cumprimentam em Assunção, em 28 de setembro de 2017

(afp_tickers)

Os chanceleres de Paraguai, Eladio Loizaga, e Argentina, Jorge Faurie, assinaram nesta quinta-feira uma declaração conjunta em Assunção na qual pedem o pleno restabelecimento da democracia na Venezuela.

Ambos os chanceleres expressaram a "sua condenação à repressão e perseguição política na Venezuela", ao reafirmar o expressado durante a segunda reunião dos países do Grupo de Lima.

Loizaga e Faurie se reuniram para analisar a agenda bilateral em um encontro que se centrou no estado da hidrelétrica binacional de Yacyretá.

Na declaração, pediram "que esgotem todas as medidas em um diálogo concreto e crível, e em pleno respeito aos direitos humanos" na Venezuela.

Também valorizaram uma iniciativa do Canadá de realizar, em outubro, um novo encontro de ministros, chamando os países da América Latina e do Caribe a se juntarem a esta iniciativa em prol do povo venezuelano.

A Venezuela atravessa uma das piores crises políticas de sua história pelo conflito entre o governo e a oposição, agravado por uma severa crise econômica.

Em outra declaração conjunta, os dois países se comprometeram a encarar o ordenamento econômico e financeiro da hidrelétrica de Yacyretá, de domínio conjunto.

"Queremos tornar a entidade uma empresa economicamente rentável. É uma conquista histórica e o acordo vem encerrar quase dois anos e meio de intensas negociações", disse Loizaga.

Durante anos, Paraguai e Argentina mantiveram discrepâncias sobre as dívidas, as obras e as formas de pagamento da energia gerada pela represa, construída sobre um rio fronteiriço.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP