Navigation

Parlamentares estrangeiros convidados por Guaidó protagonizam sessão caótica

Insultos e discussões estridentes marcaram nesta terça-feira um debate no Parlamento venezuelano que teve a participação de 12 legisladores estrangeiros a convite do líder da oposição Juan Guaidó, em sua pressão para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 26. novembro 2019 - 23:18
(AFP)

Insultos e discussões estridentes marcaram nesta terça-feira um debate no Parlamento venezuelano que teve a participação de 12 legisladores estrangeiros a convite do líder da oposição Juan Guaidó, em sua pressão para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder.

A chamada "reunião parlamentar mundial pela democracia na Venezuela" contou com a presença de quatro legisladores espanhóis, três italianos, um argentino e quatro centro-americanos que apoiam Guaidó, reconhecido como presidente encarregado de cinquenta países.

O confronto verbal entre opositores e apoiadores do governo escalou durante o discurso de Javier Maroto, que, como seus três colegas do Partido Popular Espanhol de direita, atacou Maduro, a quem chamaram de "ditador".

"Vamos adquirir o compromisso para que pessoas assim (os deputados alinhados ao governo) também possam sofrer sanções individuais adicionais que hoje não estão sendo tomadas", desafiou Maroto, provocando a ira do bloco chavista que o interrompeu continuamente.

A União Europeia mantém um embargo de armas à Venezuela e sanções contra 25 funcionários do governo diante de ações que, em sua opinião, comprometem a democracia e os direitos humanos.

Em uma sessão que por vezes se tornou caótica, os parlamentares aliados ao governo gritaram frases como "o país não é vendido!" e vá para o inferno! ", e denunciaram o congelamento de fundos venezuelanos na Europa e nos Estados Unidos, o que, para eles, agrava a crise socioeconômica.

"Quero dizer ao senador (Maroto), como (Hugo) Chávez disse, vá à merda, que na Venezuela há um povo livre, soberano, que não negocia sua liberdade", disse Gerardo Márquez, do Partido Socialista Unido De Venezuela.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.