AFP

Ativistas independentes de Hong Kong Baggio Leung e Yau Wai-ching (D) falam com a imprensa, em Hong Kong, em 26 de abril de 2017

(afp_tickers)

Dois deputados pró-independência de Hong Kong impedidos de ocupar suas cadeiras no Parlamento após uma intervenção de Pequim foram detidos e indiciados nesta quarta-feira, por incidentes no Congresso da ex-colônia britânica.

Baggio Leung e Yau Wai-ching anunciaram à imprensa que foram acusados por "reunião ilegal" e por tentativa de entrar à força no Parlamento, de acordo com a página no Facebook do partido Youngspiration.

Os dois integram uma nova geração de ativistas que exigem uma separação total de Hong Kong da China, no momento em que muitos habitantes desta região semiautônoma percebem um crescente domínio de Pequim sobre os temas da ex-colônia britânica.

Os pedidos reforçados de independência surgiram nos protestos conhecidos como 'Movimento dos Guarda-Chuvas' em 2014, que fracassou em sua tentativa de convencer a China a conceder reformas políticas.

Nove ativistas democratas, incluindo estudantes, professores e deputados, foram acusados no mês passado por seu papel na revolta de 2014.

As acusações, denunciadas pelos defensores dos direitos humanos, acontecem poucas semanas antes de uma visita a Hong Kong do presidente chinês Xi Jinping por ocasião do 20º aniversário da devolução da colônia britânica a China, em 1º de julho de 1997.

Os dois parlamentares indiciados nesta quarta-feira são acusados de tentativa de ignorar a proibição que tinham de entrar no Parlamento, em novembro do ano passado. Eles protagonizaram um incidente com seguranças do local e três funcionários foram hospitalizados.

Os dois jovens parlamentares foram eleitos no fim de 2016, mas não assumiram as funções depois que protestaram na cerimônia de juramento do cargo com cartazes que exibiam a frase "Hong Kong não é China".

Em uma "interpretação" pouco frequente da Constituição de Hong Kong, a China considerou que os dois deveriam ser destituídos, o que foi confirmado pela justiça da ex-colônia britânica.

AFP

 AFP