Navigation

Parlamento autoriza Guaidó a criar fundo com contas da Venezuela congeladas nos EUA

(Arquivo) O líder opositor venezuelano Juan Guaidó afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. fevereiro 2020 - 23:02
(AFP)

O Parlamento venezuelano, controlado pela oposição, autorizou seu presidente, Juan Guaidó, nesta quinta-feira (27) a criar um fundo com até 80 milhões de dólares em contas bancárias congeladas no exterior por sanções contra o governo de Nicolás Maduro.

O objetivo da lei aprovada pelo Parlamento é que os Estados Unidos, que bloquearam as contas do Estado - incluindo a companhia petrolífera PDVSA - e os funcionários chavistas, liberem dinheiro sob a supervisão da Organização dos Estados Americanos (OEA), disse à AFP o deputado Alfonso Marquina.

Ao aprovar a chamada Lei especial do fundo para a libertação da Venezuela e a atenção a casos de risco de vida, os deputados da oposição endossaram que Guaidó pode fazer uso de "contas bancárias no exterior".

Segundo o texto da lei, o dinheiro se destinará a gastos sociais em um país arrasado por uma profunda crise econômica, além de buscar "fortalecer as relações internacionais" e custear o "governo de transição" de Guaidó.

Marquina esclareceu que a lei permitirá dispor de contas bancárias particulares "congeladas a corruptos ou violadores de direitos humanos", referindo-se a sanções individuais contra funcionários do governo.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.