Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A comissão responsável por Assuntos Digitais, Cultura, Imprensa e Esportes (DCMS) fez o pedido depois da ida do diretor jurídico do Twitter, Sean Edgett, ao Congresso americano esta semana

(afp_tickers)

Uma comissão parlamentar britânica solicitou nesta sexta-feira (3), ao CEO do Twitter, Jack Dorsey, uma lista das contas de usuários russos suspeitos de "ingerência" no "processo democrático no Reino Unido".

A comissão responsável por Assuntos Digitais, Cultura, Imprensa e Esportes (DCMS) fez o pedido depois da ida do diretor jurídico do Twitter, Sean Edgett, ao Congresso americano esta semana.

Segundo a comissão DCMS, Edgett explicou nesse comparecimento que o Twitter contabilizou 2.752 contas relacionadas à Internet Research Agency, uma empresa de São Petersburgo ligada aos serviços secretos russos e acusada de ter publicado milhares de mensagens para influenciar as eleições presidenciais americanas de 2016.

"Depois ficou claro que algumas dessas contas também mostravam conteúdos relacionados com a política britânica", escreve o presidente da comissão parlamentar, Damian Collins, na carta dirigida a Jack Dorsey.

"Qualquer ingerência de atores estrangeiros no processo democrático do Reino Unido é claramente um assunto grave", acrescentou.

"Peço ao Twitter, portanto, que entregue à comissão uma lista das contas vinculadas à Rússia que foram suprimidas", completou.

Collins enviou, em 19 de outubro passado, um pedido similar ao criador do Facebook, Mark Zuckerberg, exigindo informações sobre algumas contas russas ativas durante o referendo sobre o Brexit de 23 de junho de 2016 e durante as eleições legislativas de 8 de junho de 2017.

Esses pedidos foram feitos no âmbito de uma investigação sobre o fenômeno das "fake news" (notícias falsas) realizada pela comissão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP