Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Deputados venezuelanos durante sessão da Assembleia Nacional em 4 de agosto de 2016 em Caracas

(afp_tickers)

De maioria opositora, o Parlamento venezuelano aprovou nesta terça-feira (31) uma investigação sobre o suposto pagamento de subornos a funcionários do Estado pela empreiteira Odebrecht.

"A cifra dos contratos com a Odebrecht na Venezuela passa dos 16 bilhões de dólares. O caso gerou um escândalo em nível mundial, mas na Venezuela, não. Incentivo que a Procuradoria investigue", disse o presidente da Comissão da Controladoria, o deputado Juan Guaidó.

O acordo para investigar o caso pelo Comitê Legislativo foi aprovado em um debate assistido pelos deputados do governo.

Na semana passada, a Procuradoria informou que já pediu informações sobre o caso ao Ministério Público brasileiro e solicitou uma ordem de apreensão contra uma pessoa - sem identificá-la - supostamente vinculada ao escândalo.

A Venezuela é o segundo país da América Latina em que a empreiteira pagou mais subornos (98 milhões de dólares), apenas atrás do Brasil, de acordo com a delação de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empresa.

Durante o debate, o parlamentar Julio Montoya afirmou que várias obras importantes que deviam ser construídas pela Odebrecht estão inacabadas, apesar de terem recebido os recursos.

Montoya assegurou, por exemplo, que foram pagos 419 milhões de dólares para a construção da linha 5 do metrô de Caracas e 527 milhões para a linha 2 do metrô de Los Teque, mas ambas não estão prontas. Essas obras já deveriam ter sido entregues.

"É importante que a Comissão da Controladoria investigue cada um desses casos (...) Há mais de 20 bilhões de dólares em obras inacabadas. A Odebrecht é só a ponta do iceberg", acrescentou.

Na última sexta-feira, Julio Montoya denunciou que os "subornos e propinas" da Odebrecht na Venezuela passam de um bilhão de dólares.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP