Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O Parlamento venezuelano, em Caracas, no dia 17 de março de 2016

(afp_tickers)

O Parlamento venezuelano, dominado pela oposição, formalizou nesta sexta-feira um pedido de doação de remédios a quatro países, entre eles o Brasil, assim como a várias organizações internacionais, devido à grave escassez no país.

A medida já havia sido rejeitada pelo presidente Nicolás Maduro.

O pedido foi dirigido a Brasil, Chile, Uruguai e México e será canalizado por intermédio do Poder Legislativo desses países, afirmou o deputado Luis Florido, citado em um comunicado da Assembleia Nacional.

Presidente da Comissão de Política Externa do Congresso, Florido visitou esses países recentemente para denunciar que a Venezuela sofre uma "crise humanitária" pelo desabastecimento de remédios e de outros itens básicos.

Maduro nega que exista essa crise e rejeita os pedidos de ajuda feitos pela oposição. Para ele, o objetivo desses anúncios é criar as condições para uma intervenção militar dos Estados Unidos.

Florido afirmou que, "graças às demonstrações de solidariedade recebidas durante a viagem, agora, pedimos aos Parlamentos dos países irmãos que promovam a doação de remédios por parte de seus governos para atender à grave crise humanitária sofrida pelo povo da Venezuela por culpa das políticas ruins do governo".

O pedido se estendeu ao Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e às organizações humanitárias Bill And Melinda Gates Foundation, The Global Fund, Gavi The Vaccine Alliance e Unitaid.

O congressista citou números do setor privado, que mostram, segundo ele, que 95% dos 300 hospitais públicos venezuelanos contam apenas com 7% dos insumos necessários para seu funcionamento.

O pedido de donativos inclui remédios para tratar de doenças como câncer, diabetes, pressão alta, convulsões, Mal de Parkinson e problemas cardiovasculares, além de anticoncepcionais, analgésicos e antibióticos.

AFP