Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Casas destruídas pelo furacão em uma rua inundada do município de Cataño, Porto Rico

(afp_tickers)

Treze pessoas morreram e 700 foram resgatadas depois da passagem do devastador furacão Maria por Porto Rico, que lutava nesta sexta-feira contra fortes inundações, além da completa falta de eletricidade, água potável e comunicações.

"Parte da ilha está sem comunicação, sendo assim, o que temos são algumas avaliações preliminares que dão conta de 13 mortos nesta conjuntura", disse o governador Ricardo Rosselló à CNN.

"Nossos esforços já produziram 700 resgates, estamos focando nisso", acrescentou.

Mais tarde, o Departamento de Saúde Pública reportou seis mortos confirmados e que 13 seria uma cifra extraoficial.

O furacão, agora rebaixado para categoria 3 - depois de atingir a categoria máxima de 5 - deixou 33 mortos por sua passagem pelo Caribe, sendo duas vítimas fatais em Guadalupe, 15 em Dominica e três no Haiti.

Mas é em Porto Rico que a situação é mais grave.

Estão previstas chuvas torrenciais que agravarão as inundações no território de 3,4 milhões de habitantes, que poderão ficar sem eletricidade durante vários meses e com uma rede de telecomunicações quase totalmente destruída.

O Centro Nacional de Furacões, com sede em Miami, informou que algumas áreas de Porto Rico poderiam sofrer com mais de um metro de chuvas provocadas pelo Maria.

"Temos muitas inundações e reportes de devastações completas em zonas de moradias vulneráveis. Ainda está chovendo", disse Rosselló.

À tarde, o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS) anunciou que os municípios de Isabela e Quebradillas, no nordeste, sofriam com inundações súbitas por uma falha na Represa de Guajataca.

"Todas as áreas ao redor do rio Guajataca devem desalojar AGORA. Suas vidas correm PERIGO", escreveu o NWS.

O presidente americano, Donald Trump, declarou o território "zona de grande desastre", o que libera fundos ilimitados de ajuda federal para a ilha.

"Porto Rico está totalmente devastado e em um estado muito delicado", explicou Trump na quinta-feira.

O governador Ricardo Rosselló alertou que as coisa podem ficar piores.

"O que provoca mais mortes neste tipo de evento é a chuva", explicou, recordando que a ilha sofre com as chuvas deixadas pela cauda de Maria, apesar de o olho do furacão já estar quilômetros mar adentro.

"Antecipamos que seria o maior desastre do século em Porto Rico e efetivamente assim o foi", acrescentou Rosselló.

- Água até o segundo andar-

Um vídeo difundido nas redes sociais por uma moradora do bairro de Toa Baja mostra a água invadindo o segundo andar de sua casa.

"Estamos presos, Deus nos ajude. Não podemos fazer nada", lamenta a mulher. "Não podemos subir no telhado por causa do vento, vejam as ondas", acrescenta.

Durante a noite, dezenas de famílias foram resgatadas deste bairro, um subúrbio da capital de San Juan, que inundou quando um lago transbordou.

"Todos nós vivemos a pior noite de nossa vida, mas os boricuas têm uma grande força interior", comentou, por sua vez, Iris Rivera, de 53 anos, morador da capital. "Todo mundo está ajudando a limpar, a organizar o trânsito, a apoiar seu vizinho".

Em Ocean Park, uma zona turística de San Juan, também está debaixo da água. Residentes presos no segundo andar de suas casas observam a inundação, enquanto outros, em botes e caiaques, verificam se seus vizinhos estão bem.

Vários comércios foram saqueados e não se via muita presença policial, apesar de o governo informar sobre várias prisões.

O governo declarou toque de recolher noturno e estendeu até a Lei Seca até sábado.

"A San Juan que conhecíamos desapareceu", afirmou a prefeita da capital, Carmen Yulin Cruz, que alertou que a ilha poderá ficar privada de eletricidade de quatro a seis meses.

- Inundações em Dominicana -

Enquanto isso, na República Dominicana, o furacão deixou sem energia 140.000 pessoas e causou inundações devido à cheia dos rios.

O Centro de Operações de Emergência (COE) ordenou a evacuação obrigatória em 26 das 32 províncias do país e mais de 17.000 pessoas foram evacuadas.

Quase 3.000 moradias reportaram danos e, segundo o COE, 15 comunidades ficaram isoladas pelas cheias dos rios e uma ponte desabou.

Maria já se afastou de Porto Rico na noite de quinta, mas seu campo nebuloso continua causando chuvas e ventos em quase todo o país.

Em seu mais recente boletim, o Centro Nacional de Furacões situou Maria com força de categoria 3 e ventos de 205 Km/h rumo às ilhas Turkos e Caicos.

O arquipélago, um território britânico, já sofre com os fortes ventos e chuvas.

O governo colocou à disposição dos habitantes novos refúgios, uma vez que as instalações disponibilizadas antes sofreram danos com a passagem do furacão Irma, no início do mês.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP