Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes fazem protesto bem-humorado neste domingo (2), nas águas do rio Alster, contra a cúpula do G20 no fim da semana

(afp_tickers)

Cerca de oito mil pessoas - segundo novo balanço divulgado pela Polícia - foram às ruas em Hamburgo, neste domingo (2), para protestar contra a cúpula do G20 que acontece nos próximos 7 e 8 de julho, nesta cidade do norte da Alemanha.

Os organizadores do ato garantem que a participação foi "muito superior" ao número divulgado pelas autoridades, chegando a 18 mil.

Um porta-voz da Polícia disse à AFP que a manifestação é "totalmente pacífica".

Debaixo de uma chuva fina e em um ambiente familiar, a multidão se concentrou em frente à prefeitura de Hamburgo. Durante o protesto, vários oradores exigiram uma "outra política" para o meio ambiente e criticaram o presidente americano, Donald Trump.

"Precisamos de uma distribuição igualitária da riqueza na Alemanha e no Mundo", defendeu Stefan Körzell, da Federação Alemã de Sindicatos, durante o protesto.

"Estamos aqui para apoiar os opositores à cúpula do G20 e lutar por um comércio justo", afirmou Heike, de 46 anos.

Mais de 30 manifestações estão programadas para acontecer ao longo desta semana.

O governo alemão prevê a mobilização de cerca de 15 mil policiais para a segurança da cúpula que reunirá os chefes de Estado dos 20 principais países industrializados e emergentes. Outros 3.500 policiais federais ficarão responsáveis pela segurança no aeroportos e nas estações de trem.

"A liberdade de se manifestar é válida apenas para as manifestações pacíficas", declarou o ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, na edição de domingo do jornal "Bild", o mais lido no país.

AFP