Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Exemplares de mosquitos Aedes aegypti são vistos em Lima, no dia 27 de janeiro de 2016

(afp_tickers)

O Peru acionou nesta quinta-feira um comitê de emergência sanitária para evitar a propagação do vírus da zika no seu território, após registrar 91 casos no país - 77 autóctones e 14 importados, informou o Ministério da Saúde.

O vírus foi detectado em localidades do norte - a província de Jaén, no departamento de Cajamarca; Yurimaguas, em Amazonas; Zarumilla, em Tumbes; e Tocache, em San Martín - e do oeste - na cidade de Pucallpa, em Ucayalí. Do total de casos, 34 são de mulheres grávidas.

O zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, se propagou rapidamente pela América Latina desde 2015.

O vírus, que também pode ser transmitido por contato sexual, pode causar microcefalia em fetos - malformação grave que prejudica o desenvolvimento - e problemas neurológicos em adultos, como a síndrome de Guillain-Barré, que causa paralisia e pode levar à morte.

"Em todas as regiões foram tomadas ações de prevenção e controle, temos um plano de preparação de resposta que consiste na emissão de alertas e na instalação do centro de operações de emergência", disse em uma coletiva de imprensa o vice-ministro da Saúde, Percy Minaya.

A vigilância será reforçada com ovitrampas - armadilhas para evitar a proliferação do mosquito - e com a instalação de um cerco epidemiológico.

O primeiro caso de infecção pelo zika no país foi registrado em 29 de janeiro deste ano em um cidadão venezuelano que tinha estado na Venezuela e na Colômbia antes de regressar ao Peru, onde mora. Desde então, os casos tinham sido esporádicos e, em sua maioria, importados.

O Peru mantém uma vigilância estrita da presença do Aedes aegypti em 392 distritos onde existem antecedentes de dengue, também transmitida pelo mosquito.

AFP