Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, em Washington DC, em 24 de fevereiro de 2017

(afp_tickers)

O Peru chamou nesta segunda-feira para consultas seu embaixador em Caracas, após ofensas proferidas contra o presidente Pedro Pablo Kuczynski pela chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, e pelo próprio presidente Nicolás Maduro.

Em uma nota diplomática, o Peru expressa "seu mais enérgico protesto e absoluta rejeição às expressões insolentes formuladas pelo presidente da República e a ministra das Relações Exteriores da Venezuela sobre o presidente do Peru", e informa que decidiu "chamar para consultas" seu embaixador na Venezuela.

Rodríguez chamou Kuczynski de "cachorro simpático" após o presidente do Peru realizar comentários sobre a América Latina que a Venezuela considerou ofensivos.

"Senhor Kuczynski, você é um covarde (...). Se atreve a agredir a identidade latino-americana e digo aqui que o único cachorro simpático que há é você, que pede a intervenção na Venezuela. Um cachorro simpático que bate o rabo para o Império (EUA)", declarou Rodríguez em um seminário realizado nesta segunda-feira, em Caracas.

O presidente peruano afirmou no dia 25 de fevereiro, na Universidade de Princeton (Nova Jersey), que os Estados Unidos "não investem muito tempo na América Latina, pois (a região) é como um cachorro simpático que está dormindo no tapete; mas no caso da Venezuela há um grande problema".

Na sexta-feira passada, Nicolás Maduro pediu a Kuczynski que se retratasse por estas "declarações ofensivas para a identidade e o sentimento latino-americano e caribenho".

Rodríguez declarou nesta segunda-feira que além de Kuczynski há "um outro cachorro que já passou a ser do Império (EUA) e está na OEA", em referência ao secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro.

"São os únicos que, simpaticamente, balançam o rabo para seus donos imperialistas".

Almagro promove a aplicação da carta democrática interamericana na Venezuela, mecanismo que faculta à OEA intervir em caso de grave alteração constitucional e, em última instância, suspender o país envolvido.

Em nota de protesto entregue à embaixada da Venezuela em Lima, o governo peruano considera que estas expressões são "inaceitáveis entre dois Estados que mantêm relações diplomáticas, base sobre a qual as autoridades devem observar mútuo respeito".

O chanceler do Peru, Ricardo Luna, já havia lamentado e rejeitado "as declarações da chanceler da Venezuela, que são insolentes e inaceitáveis".

Segundo Luna, Kuczynski utilizou apenas uma "expressão metafórica" que pode ter sido entendida como uma ofensa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP