Navigation

Peru espera aprofundar relação com Brasil após eleição de Bolsonaro

O presidente peruano, Martín Vizcarra, fala à imprensa durante coletiva no Palácio do governo, em Lima, em 29 de outubro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. outubro 2018 - 23:16
(AFP)

O presidente peruano, Martín Vizcarra, expressou nesta segunda-feira (29) o desejo de seu governo de seguir trabalhando com o Brasil e, inclusive, melhorar as relações bilaterais, ao saudar a eleição de Jair Bolsonaro à Presidência.

"Temos relações muito boas com o Brasil e esperamos continuá-las, e inclusive melhorá-las, com a nova administração que foi eleita", disse Vizcarra sobre a vitória de Bolsonaro durante coletiva com a imprensa estrangeira credenciada no Peru.

"Como país vizinho ao Brasil, saudamos e cumprimentamos sua vitória", reiterou o presidente, que saudou no domingo à noite pelo Twitter a eleição de Bolsonaro.

As relações entre Brasil e Peru estiveram marcadas nos últimos três anos pelo escândalo de corrupção desatado na região pelo pagamento de propina pela empreiteira Odebrecht.

O Peru foi um dos países mais afetados pelo escândalo, com a investigação de quatro ex-presidentes, com base em uma estreita colaboração bilateral entre as procuradorias dos dois países.

Vizcarra, um governante de centro-direita que chegou à Presidência após a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski, arrastado por denúncias de supostos pagamentos ilícitos da Odebrecht a suas empresas, definiu como uma "oscilação política natural" a guinada do Brasil para a direita.

"É preciso respeitar as decisões dos povos, é o que corresponde", acrescentou.

O Peru divide com o Brasil sua fronteira mais extensa, de 2.822 km. Essa situação move Lima a mobilizar todos os seus esforços a trabalhar de forma coordenada no desenvolvimento nacional, por exemplo, com "projetos de interconexão para melhorar o comércio", afirmou Vizcarra.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.