Navigation

Peru reforçará vigilância em Machu Picchu após danos de turistas

Pedra extraída de muro histórico pelos turistas estrangeiros após entrarem em Machu Picchu afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. janeiro 2020 - 21:35
(AFP)

O Peru aumentará em fevereiro com 18 câmeras a vigilância da cidadela inca de Machu Picchu, depois que seis turistas estrangeiros causaram danos e profanaram um templo, informou terça-feira a autoridade do sítio arqueológico.

"Vamos reforçar a segurança em Machu Picchu, instalando câmeras de alta tecnologia", disse à AFP José Bastante, chefe do parque arqueológico de Machu Picchu.

Bastante explicou que serão instaladas 18 novas câmeras - que se somam a meia dúzia já existentes - em três pontos estratégicos da cidadela: a ponte Ruinas, a Inti Punku e a ponte Inca.

"Elas nos permitirão um melhor controle dos visitantes e evitarão qualquer ação ou infração ao regulamento, também qualquer tipo de risco", detalhou o funcionário.

As câmeras também serão distribuídas na área de acesso a Huayna Picchu, a montanha mais alta que se eleva acima do topo e esplanada de Machu Picchu.

A decisão é uma resposta ao incidente de 12 de janeiro, quando seis turistas foram presos em uma área restrita da cidadela inca.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.