Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Entardecer na ilha de San Cristóbal, Equador, no dia 23 de maio de 2006

(afp_tickers)

O Equador interceptou em águas da reserva das ilhas Galápagos um barco de bandeira chinesa com cerca de 300 toneladas de pesca que incluem ao menos duas espécies de tubarão consideradas vulneráveis, informaram as autoridades nesta segunda-feira.

Segundo um comunicado da Marinha, a embarcação Fu Yuan Yu Leng 999, de 98 metros de comprimento, foi interceptada e detida no domingo, quando navegava ilegalmente dentro da reserva marinha de Galápagos, a 1.000 km da costa do Equador e Patrimônio Natural da Humanidade.

A Marinha acrescentou que o barco, com 20 tripulantes, levava em seus porões espécies de fauna marinha vulnerável e protegida pelo Estado equatoriano, como tubarões-martelo (em perigo de extinção) e tubarões-seda.

Todas as espécies estão protegidas dentro dos 133.000 km2 da reserva marinha de Galápagos, a segunda maior do mundo, que inclui um santuário de esqualos. O arquipélago possui flora e fauna únicas.

"Pode se tratar da maior embarcação interceptada dentro da Reserva Marinha. No entanto, ainda se desconhece a procedência da pesca que transportava", expressou o diretor do Parque Nacional Galápagos (PNG), Walter Bustos, em outro comunicado.

O pesqueiro - interceptado cerca de 35 milhas náuticas a leste da ilha San Cristóbal -, a tripulação e a carga ficaram sob custódia das autoridades de Galápagos, cujas águas concentram o maior número de tubarões registrado no mundo.

O código penal equatoriano pune os crimes contra a flora e a fauna silvestres como a pesca, transporte e tráfico com um a três anos de prisão.

O ministro do Meio Ambiente, Tarsicio Granizo, disse que ficará "atento às ações legais que se adotem em Galápagos por possível transporte e tráfico de vida silvestre protegida em barco capturado".

"Temos uma política de tolerância zero aos delitos contra a natureza", acrescentou.

A região insular, parte da reserva da biosfera do planeta e um dos parques naturais mais frágeis, leva o nome das gigantes tartarugas que vivem ali, e serviu de laboratório para o naturalista inglês Charles Darwin desenvolver a teoria sobre a evolução das espécies.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP