Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

uatro pesquisadores de Reino Unido e Estados Unidos receberam, nesta terça-feira (6), o Prêmio Vision 2016 da fundação portuguesa Champalimaud por suas descobertas sobre a conexão entre os olhos e o cérebro

(afp_tickers)

Podemos tratar os neurônios para curar a visão? Quatro pesquisadores de Reino Unido e Estados Unidos receberam, nesta terça-feira (6), o Prêmio Vision 2016 da fundação portuguesa Champalimaud por suas descobertas sobre a conexão entre os olhos e o cérebro.

Essas pesquisas "abrem o caminho para a possibilidade de curar certos transtornos da visão, mediante tratamentos neurológicos", atuando diretamente "no cérebro e em sua capacidade de receber com precisão as projeções da retina", explica a fundação em um comunicado.

"É uma verdadeira revolução", completa o texto, destacando que "a visão depende em grande parte dessas conexões sinápticas entre a retina e os centros visuais superiores do cérebro".

Os pesquisadores premiados são Christine Holy e John Flanagan (Reino Unido), assim como Carol Mason e Carla Shatz (Estados Unidos).

O prêmio Vision da fundação portuguesa, que leva o nome do industrial português Antonio Champalimaud, falecido em 2004, tem valor de um milhão de euros (1,1 milhão de dólares) e foi concedido pela primeira vez em 2007.

O instituto premia as instituições ativas na prevenção da cegueira, assim como os estudos científicos que representam um progresso na compreensão, no tratamento ou na prevenção das doenças e dos transtornos da visão.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP