Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mosquitos Aedes aegypti são vistos em um laboratório, em São Paulo, no dia 8 de janeiro de 2016

(afp_tickers)

Um grupo de pesquisadores americanos criou um clone do zika vírus que poderia acelerar os estudos em andamento para lançar uma vacina e um antiviral, segundo um artigo publicado na segunda-feira na revista científica americana Cell Host and Microbe.

Este avanço potencial pode também ajudar os virólogos a determinarem se as variedades atuais do zika registram mutações que lhes permitem propagar-se mais rapidamente e provocar sintomas mais severos.

"O novo clone do zika, que se soma à confecção de um modelo matemático das infecções transmitidas por mosquitos e de um modelo animal de pesquisa, representa um avanço importante para determinar porque este vírus é responsável por malformações graves como a microcefalia", afirma Pei-Yong Shi, professor de medicina da Universidade do Texas e um dos principais autores do trabalho.

"Este novo clone representa uma etapa crucial para produzir uma vacina e um antiviral contra o zika", acrescentou.

O Instituto Americano de Alergias e Doenças Infecciosas (NAID) iniciará um ensaio clínico de fase 1 em setembro com uma vacina experimental contra o zika para testar sua inocuidade.

AFP