Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma mulher grávida infectada pelo vírus zika aguarda atendimento em um hospital, em Cucuta, Colômbia, no dia 25 de janeiro de 2016

(afp_tickers)

Pesquisadores americanos anunciaram na terça-feira o lançamento de um estudo amplo sobre o zika e seus efeitos para as mulheres grávidas nas zonas afetadas pelo vírus, principalmente na América Latina.

Este estudo sobre os efeito do zika nos bebês e nas mulheres grávidas será realizado pelo Instituto Nacional da Saúde americano (NIH) e por seu correspondente brasileiro, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A pesquisa será iniciada em Porto Rico e posteriormente expandida para Brasil, Colômbia e outros países onde a transmissão do vírus é ativa. No total, cerca de 10.000 mulheres grávidas com mais de 15 anos foram selecionadas para participar do estudo.

O objetivo da pesquisa é determinar o alcance dos riscos para a saúde que o zika representa para as gestantes, os fetos e os bebês.

As participantes do estudo, que estarão no seu primeiro trimestre da gravidez, serão submetidas a um acompanhamento até o parto. Os pesquisadores também estudarão os bebês durante ao menos um ano após o nascimento.

"Ainda não determinamos todo o alcance dos efeitos do vírus da zika sobre a gravidez", afirmou Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos.

"Este estudo estendido deve fornecer novos dados importantes que ajudarão a guiar as respostas médicas e de saúde pública à epidemia de zika", ressaltou Fauci.

O zika vírus se propaga principalmente através da picada de mosquitos infectados, mas também pode ser transmitido sexualmente e de mãe para filho durante a gestação.

Infecções pelo zika já foram constatadas em 60 países e territórios.

O vírus está ligado a um aumento de casos de microcefalia, uma malformação rara e grave que se caracteriza por um tamanho abaixo da média da cabeça de recém-nascidos e que causa problemas de desenvolvimento.

No Brasil, o país mais afetado, foram detectados 1.581 casos de microcefalia desde o início da epidemia de zika, em outubro passado, segundo dados do Ministério da Saúde.

Além da microcefalia, foram detectados outros problemas nas grávidas, nos fetos e nos bebês infectados pelo zika antes do nacimento, como abortos, bebês natimortos ou com estruturas cerebrais pouco desenvolvidas, defeitos oculares e problemas de audição.

O estudo vai comparar grupos de mães e filhos infectados pelo zika com outros não infectados, para determinar a frequência de abortos, nascimentos prematuros, microcefalia, malformação do sistema nervoso e outras complicações.

Os pesquisadores pretendem, ainda, comparar o risco de complicação durante a gravidez entre as mulheres que tiveram sintomas de infecção pelo vírus e as que não tiveram.

AFP