Navigation

Pesquisadores reivindicam maior pata de dinossauro já descoberta

Visitantes veem modelos de dinossauros no Dino Parque em Lourinhã, Portugal afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. julho 2018 - 20:15
(AFP)

Há cerca de 150 milhões de anos, um dinossauro gigante de pescoço longo pisou no que hoje é solo americano com a agora considerada pelos cientistas como a maior pata já descoberta.

Encontrados sob uma pilha de ossos da cauda, os ossos formam uma pata de cerca de um metro de comprimento que seria de um braquiossauro, um herbívoro do grupo dos saurópodes, segundo dados publicados na revista PeerJ.

É "uma pata excepcionalmente grande, maior que os elementos de todos os outros ossos de patas de saurópodes conhecidos", afirmou à AFP Anthony Maltese, do Rocky Mountain Dinosaur Resource Center de Woodland Park, no estado do Colorado, oeste dos Estados Unidos.

"Com frequência me perguntam qual é o maior, o mais comprido, ou outro superlativo que diz respeito aos dinossauros, que já tenha existido, e neste caso, agora posso dar uma resposta", continuou.

Para ter uma ideia do tamanho do animal que deixou seu rastro pelo solo de Wyoming, seu fêmur media 2,07 metros. Mas não se trata do maior dinossauro, segundo os cientistas.

"Há esqueletos incompletos na Austrália e Argentina que parecem provir de animais muito maiores, embora estes esqueletos gigantescos tenham sido encontrados sem patas", explicou Emanuel Tschopp, do departamento de Paleontologia do Museu de História Natural dos Estados Unidos.

"Esta besta foi claramente uma das maiores na América do Norte", disse.

A descoberta também permitiu aos cientistas estenderem a zona de presença dos braquiossauros para o norte, desde Utah até Wyoming, disse Maltese, apontando que esta espécie de dinossauro era "bastante rara".

"Poder ampliar seu perímetro geográfico em centenas de quilômetros é excelente e poderia nos ajudar a entendê-los muito melhor", afirmou Maltese.

Esta pata, apelidada "Bigfoot" (pé grande), foi descoberta em 1998 por uma equipe da Universidade do Kansas, da qual Maltese, então estudante, fazia parte.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.