Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 27 de maio de 2017 mostra o diretor de cinema Roman Polanski, em Cannes

(afp_tickers)

Uma petição na plataforma virtual change.org, lançada por uma ativista feminista, pede à Cinemateca Francesa, em Paris, que cancele uma retrospectiva dos filmes do cineasta franco-polonês Roman Polanski, acusado de agressão sexual.

"É tempo de acabar com a cultura do estupro, que minimiza, desculpa e perpetua a violência sexual", indica a petição, que até o início da tarde de sexta-feira tinha sido assinada por mais de 20.000 pessoas.

"Devemos acabar também com a impunidade dos homens famosos que estupram, agridem, assediam ou matam mulheres e crianças sem que isto afete suas carreiras", acrescenta o texto.

Polanski, de 84 anos, é acusado nos Estados Unidos de ter estuprado uma menor há 40 anos. Um juiz americano rejeitou, em agosto passado, a petição do cineasta de voltar ao país sem correr o risco de ser preso.

A petição critica esta retrospetiva, que é realizada "em pleno caso Weinstein" nos Estados Unidos e após novas acusações de estupro contra Polanski, que ele nega categoricamente.

A Cinemateca Francesa, presidida pelo diretor Costa-Gavras, descartou cancelar a retrospectiva e disse que esta não pretende "tomar o lugar do sistema de justiça".

Uma associação feminista convocou uma manifestação em frente à Cinemateca durante a inauguração da retrospectiva, na qual está prevista a presença de Polanski.

Em fevereiro passado, o cineasta teve que renunciar presidir os prêmios César do cinema francês devido à pressão de associações feministas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP