Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Una plataforma petrolera luego del azote del huracán Harvey en Port Aransas, EEUU, el 27 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O petróleo fechou em baixa nesta segunda-feira em Nova York por causa dos efeitos potenciais da tempestade tropical Harvey nas refinarias do Texas e da Louisiana e, por consequência, na demanda dos Estados Unidos pela commodity.

O barril de "light sweet crude" (WTI) para entrega em outubro recuou 1,30 dólar e fechou a 46,57 no New York Mercantile Exchange (Nymex).

No Intercontinental Exchange (ICE) de Londres, o barril de Brent do Mar do Norte, também para entrega em outubro, perdeu 52 centavos, a 51,89 dólares.

Com quase um terço das refinarias de petróleo do país, a costa do Texas está sendo devastada desde sexta-feira, atingida pelo furacão mais forte a alcançar o estado desde 1961.

Os serviços meteorológicos americanos rebaixaram o Harvey para tempestade tropical ainda no sábado, mas as chuvas intensas e inundações consideradas "catastróficas" pelas autoridades da região continuaram. O pior momento ainda é esperado para quarta, ou quinta-feira, comprometendo a reabertura das refinarias.

A tempestade reduziu em 2 milhões de barris diários a capacidade das refinarias da região mas, por causa das inundações, a demanda por petróleo é reduzida, explicou John Kilduff da Again Capital.

"A informação da amplitude dos danos causados à infraestrutura de petróleo e gás está limitada, atualmente", constataram analistas da Goldman Sachs, destacando que "os problemas são mais importantes na refinaria do que na produção".

Segundo estimativas, a capacidade das refinarias foi afetada em cerca de 3 milhões de barris diários, ou seja, 16,5% da capacidade total americana.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP