Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Plataforma de petróleo perto de Tioga, na Dakota do Norte, em 21 de agosto de 2013

(afp_tickers)

O petróleo fechou com forte queda nesta terça-feira a seu menor valor do ano afetado pela abundante oferta mundial alimentada agora pela retomada da produção da Líbia e da Nigéria.

O barril de "light sweet crude" (WTI) caiu 92 centavos, a 43,51 dólares, nos contratos para entrega em agosto. Nos contratos para julho, em seu último dia de cotação, o barril teve queda de 97 centavos, a 43,23 dólares, o menor preço em 10 meses. Em relação ao maior preço do ano, a queda foi de mais de 20%.

Em Londres, o barril de Brent para agosto caiu 89 centavos, a 46,02 dólares; o preço mais baixo desde novembro.

Os preços caíram em reposta à pressão gerada pelo aumento da produção da Líbia e da Nigéria, disse Andy Lipow, da Lipow Oil Associates.

Com graves problemas internos, esses países ficaram isentos dos cortes de produção mesmo sendo membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

A Opep e produtores de fora do cartel, como a Rússia, se comprometeram com cortes de produção a fim de reduzir o excesso de oferta no mercado.

AFP